Nos últimos anos, reduzir as emissões de carbono no ritmo necessário para mitigar os impactos das mudanças climáticas surgiu como um desafio importante para os formuladores de políticas em todo o mundo. Embora existam várias abordagens, uma delas – a precificação do carbono – está ganhando popularidade e os indicadores mostram que em breve será generalizada.

O QUE É A PRECIFICAÇÃO DO CARBONO?

Em resumo, a precificação do carbono é o meio pelo qual a poluição do carbono recebe um custo que é então repassado aos emissores de CO2 através de um imposto ou taxa. É um princípio econômico simples: tornar algo mais caro desencoraja seu uso. A ideia por trás da precificação do carbono é, em sua essência, dar às empresas um incentivo financeiro para reduzir suas emissões.

A forma mais básica de precificação do carbono é através de um imposto sobre o carbono, que é um imposto fixo por tonelada de equivalente de CO2 (tCO2e) sobre a quantidade de dióxido de carbono produzido. Outras iniciativas incluem sistemas de comércio de emissões (ETS), que criam um mercado de créditos fiscais para que os emissores possam comercializar unidades de emissão com não emissores. Enquanto isso, os mecanismos de compensação permitem que os emissores evitem o imposto sobre o carbono se fizerem esforços paralelos para remover o carbono de outras partes do meio ambiente.

Para os seus proponentes, a precificação do carbono é a abordagem mais eficiente para reduzir as emissões, pois incentiva imediatamente cortes em qualquer atividade que emite carbono e força a inovação para alternativas menos poluentes. Definido no nível certo, um imposto de carbono sobre a energia criaria rapidamente uma preferência econômica por gás natural, por exemplo, em vez de petróleo e carvão, e por energia renovável em vez de combustíveis fósseis, impulsionando assim a transição para a energia limpa em todo o mundo.

Isso não quer dizer que todos concordem com o conceito. Em muitos países, dos Estados Unidos à Austrália e além, as propostas de impostos sobre o carbono têm sido recebidas com oposição. No entanto, o número de jurisdições que estão colocando um preço sobre o carbono, seja por meio de um imposto sobre o carbono ou por meio de um ETS, está crescendo. Atualmente, 46 países e 32 jurisdições subnacionais implementaram iniciativas de precificação de carbono, em comparação com 42 países e 25 jurisdições subnacionais em 2017. Isso inclui a maior parte da Europa, China, Canadá e África do Sul, bem como o estado da Califórnia, nos EUA.

A perspectiva latino-americana

Na América Latina, as iniciativas de precificação de carbono estão atualmente em seus primórdios. Como vemos no gráfico a seguir, o México, o Chile, a Argentina e a Colômbia já têm esquemas de tributação de carbono em andamento, mas colocam um preço bastante modesto em cada tCO2e de carbono – inferior ao do Canadá e da África do Sul e uma fração dos US$ 40 a US$ 80 por tCO2₂e recomendado pela Comissão de Alto Nível sobre preços de carbono para reduzir as emissões de maneira econômica, em linha com as metas de temperatura do acordo de Paris.

Como os planos atuais de mitigação das mudanças climática, tanto na região quanto globalmente, ainda não alcançaram os níveis de redução de emissões necessários para manter o aumento da temperatura global abaixo de 2˚C, acreditamos que mais e mais governos começarão a implementar a precificação do carbono nos próximos anos e os impostos sobre o carbono provavelmente aumentarão.

APOIO CORPORATIVO

Embora o preço do carbono tenha um impacto direto e negativo nos lucros das empresas poluidoras, um número cada vez maior de empresas está exigindo isso, pois a crescente pressão dos investidores e consumidores as levam a começar a levar a sério a redução de emissões.

Nos Estados Unidos, a Business Roundtable (BRT), uma associação de diretores executivos de mais de 200 empresas líderes, endossou mecanismos de mercado, incluindo precificação de carbono, para promover ações sobre mudanças climáticas. Mesmo as empresas petrolíferas, incluindo ExxonMobil, Shell e BP pediram a implementação de impostos sobre o carbono, enquanto a multinacional espanhola Repsol, chegou ao ponto de estabelecer sua própria precificação interna do carbono de US$ 25 por tCO2e para novos investimentos, chegando a US$ 40 por tCO2e a partir de 2025.

De fato, em todo o mundo, atualmente cerca de 1.600 empresas utilizam a precificação interna de carbono para priorizar investimentos de baixo carbono e se preparar para regulamentações futuras, ou antecipar-se a fazê-lo em dois anos, de acordo com uma pesquisa realizada pela Carbon Disclosure Project, uma organização internacional sem fins lucrativos. Em muitos casos, elas estão usando os lucros para financiar os esforços de redução de emissões: a Microsoft, por exemplo, utiliza a receita de sua taxa interna de carbono para financiar energia renovável e tem como objetivo atingir 100% de uso de energia renovável até 2025.

Em junho de 2020, Bernard Looney, CEO da BP, mais do que dobrou a previsão do preço de carbono de sua empresa, para US$ 100 em 2030, afirmando que acredita que os países em todo o mundo irão acelerar a agressiva transição dos combustíveis fósseis para alternativas mais limpas até o final da década.

Portanto, para aquelas empresas que ainda não têm suas próprias iniciativas internas de precificação de carbono ou que ainda não levaram em consideração o provável impacto dos impostos sobre o carbono em seus resultados financeiros, está claro que é hora de agir.

O CUSTO DA PRECIFICAÇÃO DO CARBONO

Como maior emissor do mundo, o setor de energia é o mais impactado pela precificação do carbono. Já estamos começando a ver o fracasso comercial da geração de energia térmica como resultado disso. Mais recentemente, uma expansão planejada de 450 MW da usina termelétrica estatal da Bósnia e Herzegovina – financiada por um empréstimo de 614 milhões de euros, aprovado pelo China Eximbank – foi descrita pelo Secretariado da Comunidade de Energia da União Europeia como um “desastre econômico”, dado que foi planejado com um preço de carbono de € 7 por tCO2e, enquanto o preço atual na UE é de € 25.

A Bósnia e Herzegovina não é um estado-membro da UE e ainda não aplica a precificação do carbono. No entanto, agora a Comissão Europeia está preparando um imposto de fronteira sobre o carbono, que será aplicado também aos Bálcãs Ocidentais, tornando assim insustentável o sucesso financeiro da usina.

No entanto, não são apenas as empresas de serviços públicos e os produtores de energia que serão impactados pela precificação do carbono. Qualquer aumento de preço relacionado à geração de energia será inevitavelmente repassado aos clientes, aumentando os preços que as empresas – e as famílias – acabam pagando.

O impacto sobre os grandes usuários de energia

Para as indústrias com uso intensivo de energia, isso representa uma dupla ameaça. Fabricantes de produtos químicos, indústrias têxteis e grandes empresas industriais não só pagarão um imposto adicional com base em suas próprias emissões, como também pagarão custos de energia mais altos à medida que seus fornecedores de eletricidade aumentam os preços para cobrir seus próprios impostos de carbono. De acordo com um estudo recente da EY, o impacto estimado de um imposto de carbono nos custos gerais de produção da indústria a um preço de carbono de US$ 25 por tCO2e será um aumento de 1,1%, com a maior parte – 0,7% – composta por custos indiretos, ou seja, por preços mais elevados de insumos energéticos.

Historicamente, estudos constataram que quando o custo da energia representa uma fração maior do custo de produção, as empresas encontram novas formas de reduzir os custos de energia, e desta vez não será diferente. Até agora, 284 marcas globais, da ING a Unilever, AB Inbev e a Kellogg Company, deram um passo para acelerar a transição para a energia com zero de carbono, comprometendo-se a obter 100% de sua energia de fontes renováveis.

Essas empresas podem ver o que está por vir no horizonte e estão tomando medidas para se reposicionar. Acreditamos que esta é uma decisão sensata: como mostra o caso da usina elétrica da Bósnia e Herzegovina, esperar até que a precificação do carbono seja implementada em seu país de origem pode ser tarde demais, pois as decisões tomadas por outras jurisdições podem muito facilmente ter um impacto transfronteiriço.

ESTEJA PREPARADO

Embora as conversas iniciais sobre a precificação do carbono tenham enquadrado isso como uma simples imposição regulatória, ficou claro que não apenas as empresas estão por trás da ideia de reduzir as emissões de carbono, mas também o público em geral. Em uma recente pesquisa internacional com mais de 10.000 consumidores na França, Alemanha, Itália, Holanda, Espanha, Suécia, Reino Unido e nos Estados Unidos, dois terços dos consumidores disseram que gostariam de ver a rotulagem de carbono nos produtos.

Como os consumidores em todo o mundo se tornam mais informados sobre a pegada de carbono dos produtos que compram e começam a votar com seu poder de compra, essa não é uma tendência a ser ignorada. Felizmente, soluções para reduzir a dependência de combustíveis fósseis estão disponíveis. Um exemplo é através da estrutura do acordo de compra de energia (PPA), o que significa que os consumidores corporativos de energia podem aproveitar melhores decisões estratégicas de abastecimento de energia com a ajuda de um parceiro experiente e capaz. Esta é a oportunidade perfeita para reduzir o risco quase inevitável de iniciativas de precificação de carbono nos resultados financeiros de grandes usuários de energia. Além disso, em muitos mercados já existe uma economia de custos imediata, graças ao preço competitivo da energia renovável.

A precificação do carbono, em nossa opinião, é inevitável, mas, felizmente, há muitas maneiras pelas quais as empresas podem se preparar para garantir que estarão prontas quando chegar a hora.