Não há dúvida de que o primeiro semestre de 2020 não correu exatamente como planejado. No entanto, enquanto a atual situação econômica global tem estressado as indústrias a níveis inimagináveis, o cenário atual de preços baixos da energia proporciona aos grandes usuários corporativos de energia uma oportunidade sem precedentes para garantir custos reduzidos, reforçar seu modelo de negócios e se proteger contra incertezas futuras. Eis o porquê.

Ganhar controle sobre os custos

O impacto financeiro da crise da Covid-19 nas empresas da América Latina tem sido generalizado. No total, as ações da América Latina caíram 35%[1] nos primeiros seis meses deste ano, em comparação com uma perda de 10,4%[2] nos mercados emergentes como um todo.

Com tanta incerteza ainda pela frente, o planejamento do cenário a longo prazo é praticamente impossível. Mas ganhar controle sobre os custos de energia pode ser um meio de liberar capital de giro, fortalecer o balanço e ganhar visibilidade a longo prazo.

Esta é a primeira vez na história recente que o ambiente de preços da energia é tão favorável, e ninguém pode prever quanto tempo isto durará. E na maioria dos mercados da América Latina, a energia renovável é competitiva com as fontes convencionais, ou em muitos casos, até menos cara. Os grandes usuários de energia hoje têm uma oportunidade sem precedentes de negociar o melhor acordo de longo prazo, e não podem se dar ao luxo de perder esta oportunidade.

Por que energias renováveis?

Recentemente, temos visto a velocidade e a escala do que pode ser alcançado pelos movimentos de justiça social em todo o mundo, à medida em que os consumidores votam com suas carteiras para recompensar os atores responsáveis. O ativismo ambiental não é diferente. Empresas que reconhecem isto e transformam seus modelos de negócios longe das fontes de energia poluidoras estão garantindo um futuro de sucesso, respondendo a seus consumidores e readaptando sua estratégia, fornecimento e logística para o mundo de amanhã.

Já estamos vendo uma tendência crescente dos mercados financeiros para avançar em direção a empresas com políticas climáticas sólidas em vigor, tornando o capital mais escasso e mais caro para aquelas que não o fazem. Em janeiro deste ano, a BlackRock, a maior gestora de dinheiro do mundo, disse que sairá dos investimentos com altos riscos ambientais e acreditamos que isto é apenas o começo.

Com a Fitch e a S&P Global Ratings relatando que as condições de crédito na América Latina estão piorando em meio ao surto de Covid-19, as indústrias intensivas em energia em toda a região estão procurando atender suas necessidades de energia para resistir à tempestade nos mercados financeiros. Uma maneira de fazer isso é trazer as decisões de compra de energia internamente, a fim de controlar os atributos dos produto e serviços que elas estão comprando.

De fato, ter uma estratégia energética sólida tornou-se tão importante para muitas empresas quanto ter uma estratégia financeira sólida. Consumidores e acionistas querem agora ver a prova das credenciais verdes de uma empresa, seja mostrando que suas fontes de energia renovável substituíram uma fonte tradicional, ou que sua energia vem de um produtor com uma sólida relação comunitária e uma estratégia de programa social. Todos estes fatores podem ser controlados de forma significativa se a compra for feita internamente.

Parceria para o bem

A boa notícia é que os grandes usuários de energia não precisam construir suas próprias usinas de geração de energia renovável para ter acesso a todos esses benefícios. Através da estrutura do acordo de compra de energia (PPA), os consumidores corporativos de energia em toda a região podem tirar proveito de melhores decisões estratégicas de fornecimento de energia com a assistência de um parceiro conhecedor. Esta é a oportunidade perfeita para reduzir os riscos, seja a reação dos clientes e mercados financeiros relacionados à aquisição de energia, ou o risco de execução dos projetos que são necessários para fornecê-los energia.

Os projetos de energia renovável são rápidos e relativamente simples de executar e têm modularidade que lhes permitem adaptar-se facilmente ao tamanho do comprador corporativo de energia. Além disso, eles podem ser alavancados pelo comprador corporativo para demonstrar seus compromissos de sustentabilidade, fornecendo um sinal visível aos clientes e investidores de que eles estão do lado certo da equação climática.

Indústrias intensivas em energia: a espinha dorsal da economia latino-americana

Na América Latina, rica em recursos, as indústrias extrativistas e químicas intensivas em energia constituem uma grande parte da economia e da cesta de exportação. 

Mas não são apenas as grandes mineradoras e produtores químicos que podem tirar proveito da situação atual. A região abriga uma grande variedade de grandes usuários de energia, do agronegócio à indústria farmacêutica e de saúde, processamento de mineração, dessalinização de água, o setor tecnológico e até mesmo os varejistas. Empresas internacionais que operam no Chile, Peru, Brasil e México têm sido pioneiras neste sentido – da Anglo American à empresa multinacional Dow.

Uma janela de oportunidade se abriu para a transição do fornecimento convencional de energia para as fontes renováveis. É difícil saber quanto tempo durará esta retração, quando será a recuperação e, mais importante ainda, quais outros eventos negativos podem empurrar os custos de energia na direção oposta.

Se estes últimos meses nos ensinaram alguma coisa, foi que a consideração de eventos extremos precisa fazer parte dos modelos de risco futuros. Acreditamos que os acordos bilaterais para compra de energia renovável são uma ferramenta vital na construção de negócios resistentes e intensivos em energia para o novo normal pós-pandemia. Eles não apenas oferecem acordos de preços a longo prazo a taxas atraentes, mas permitem que as empresas se alinhem com as expectativas dos clientes.

COMPILAÇÃO DE FONTES

Atualização do mercado de energia renovável
Perspectivas para 2020 e 2021:

https://www.iea.org/reports/renewable-energy-market-update/challenges-and-opportunities-beyond-2021
https://www.gartner.com/smarterwithgartner/9-future-of-work-trends-post-covid-19/
https://gwec.net/gwec-and-olade-team-up-to-drive-the-energy-transition-in-latin-america/

[1]  Fonte: Reuters MSCI https://www.reuters.com/article/emerging-markets-latam/emerging-markets-latam-fx-stocks-fall-on-spike-in-virus-cases-dour-growth-forecast-idUSL1N2E11WA
[2] Fonte: Hargreaves Lansdown https://www.hl.co.uk/news/articles/how-are-stock-markets-in-latin-america-coping-with-coronavirus-turbulence

O setor de energia renovável da América Latina está caminhando para os 239 gigawatts de capacidade instalada de energia eólica e solar até 2040, sustentando o grande potencial de investimento no setor. Neste artigo, analisamos as principais oportunidades para o mercado privado de energia renovável na região, assim como abordamos algumas das incertezas.

Em todo o mundo, o apoio às antigas indústrias poluidoras diminuiu, enquanto a energia limpa e verde aumentou em popularidade. Os combustíveis fósseis estão em constante declínio, com o setor de energia tradicional consistentemente com baixo desempenho no S&P 500, e pesquisas recentes mostram que 77% dos investimentos em nova geração de energia até 2050 serão em energias renováveis.

A América Latina, lar de alguns dos recursos eólicos e solares mais abundantes do mundo, deverá desempenhar um papel vital nesta transição energética, e vemos uma série de tendências que apontam que agora é o momento certo para investir no setor.

Fatores econômicos 

Ao contrário das economias mais consolidadas dos EUA e da Europa, onde o mercado consumidor de eletricidade convencional está estagnado ou em contração, a classe média da América Latina tem se expandido na última década, tanto em termos absolutos quanto em proporção do total de residências, alimentando as necessidades domésticas de energia. A demanda de eletricidade na região está aumentando de forma consistente ano a ano: a mobilidade social permite que a população compre aparelhos e leve uma vida mais moderna com maior consumo de energia, enquanto em muitos países as indústrias de energia, que formam uma parte central da comunidade empresarial, continuam a expandir suas operações.

Acreditamos que esta demanda será melhor atendida pelas energias renováveis, primeiramente por causa do custo: ao contrário de outras regiões, a energia renovável é competitiva contra a nova geração térmica na América Latina, mesmo sem subsídios. Há pouca dúvida de que as reduções maciças de custos na última década são uma das principais razões para as energias renováveis transformarem rapidamente o mix de eletricidade da região.

Mas não é apenas a demanda futura de energia que vemos ser atendida pelas energias renováveis. Em muitos mercados, a competitividade dos custos da energia renovável pode prejudicar os ativos térmicos existentes. Isto abre a oportunidade de substituição de capacidade por energias renováveis – algo que já estamos vendo no Chile, que implementou um roteiro de descarbonização, a ser completado até 2040. É provável que outros países sigam o exemplo – é apenas uma questão de tempo.

A composição das economias da América Latina também é um fator importante. Como grandes exportadores das commodities que impulsionam o crescimento do resto do mundo, as fortunas da região são impulsionadas em grande parte pelas empresas internacionais de petróleo e mineração e seus clientes – todas as quais estão vendo aumentar a pressão para reduzir sua pegada de carbono e demonstrar progresso em sustentabilidade. Como resultado, a aquisição de energia renovável tornou-se uma parte cada vez mais importante de sua estratégia corporativa.

Além disso, não se trata apenas dos exportadores de commodities. Estamos vendo empresas multinacionais com forte presença na América Latina, desde o setor tecnológico com seus centros de dados até marcas de bens de consumo, passando por conglomerados químicos, empresas de manufatura, empresas automobilísticas e até grandes varejistas, mudarem sua abordagem do consumo de energia diante da pressão dos acionistas e consumidores para se tornarem verdes.

Projetos que avançam

Como qualquer perspectiva, no entanto, existem algumas incertezas.

O papel do governo continua sendo fundamental para a implantação das energias renováveis, e certos desenvolvimentos, como os adiamentos dos leilões de eletricidade no Brasil e no Chile, ou os recentes bloqueios regulatórios no México que limitam a operação de novas usinas de energias renováveis, têm demonstrado a importância de um forte conhecimento no terreno ao considerar a participação no mercado.

Enquanto isso, a pandemia de Covid-19 tem prejudicado seriamente o crescimento econômico global, e a América Latina não é exceção. O momento e o ritmo da recuperação continuam imprevisíveis, no entanto, acreditamos que a pandemia tem o potencial de mudar a prioridade das políticas governamentais, e a energia renovável desempenhará um papel fundamental na recuperação da América Latina em relação à crise.

Apesar destes desafios globais, os projetos de energia renovável ainda estão em andamento. Em um nível global, se olharmos para a carteira de projetos até 2025, quase um terço dos projetos de energia eólica e solar fotovoltaica já estão contratados e/ou financiados, de acordo com a última atualização do mercado de energia renovável da Agência Internacional de Energia [1].

Há outra tendência que estamos começando a ver na região, que acrescenta força à nossa convicção de uma recuperação econômica liderada por energias renováveis. A medida que a pandemia acelera o foco na sustentabilidade por parte dos formuladores de políticas e investidores, temos visto um aumento na aceitação de relatórios do setor privado sobre a exposição a riscos financeiros baseados no clima. Um exemplo é no Chile, onde investidores institucionais e a Bolsa de Valores de Santiago começaram a implementar os princípios estabelecidos pela Força Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD), uma iniciativa iniciada em 2015 pelo Conselho de Estabilidade Financeira. Pensamos que isto levará a um número ainda maior de fundos investindo em projetos verdes, como energia eólica e solar, impulsionando ainda mais o crescimento do setor.

Um voo para a segurança

Com projeções de uma recessão global profunda e duradoura como resultado de medidas de bloqueio relacionadas à pandemia, o investimento em energia limpa é cada vez mais visto não apenas como uma forma de reduzir a poluição, mas como um meio de se proteger contra riscos futuros e ativos irrecuperáveis.

Para os investidores, a energia renovável é muito semelhante ao investimento imobiliário: o maior custo é o equipamento inicial, mas uma vez concluído o projeto, ele representa um ativo estável com poucas partes móveis, baixos custos operacionais e fluxos de receita de muito longo prazo que podem ser emparelhados com vencimentos de obrigações de aposentadorias e seguros.

Se o projeto for desenvolvido com um contrato de compra de energia (PPA), a natureza estável dos benefícios é ainda mais evidente. Estas estruturas asseguram receitas de eletricidade para uma parte significativa da vida útil do projeto, e podem ser comparadas à propriedade de um edifício com um contrato de arrendamento de 15 anos já assinado, garantindo renda para os próximos anos. Enquanto isso, espera-se que a demanda de energia renovável continue a crescer, especialmente na América Latina, onde o consumo de eletricidade deverá aumentar mais de 70% até 2030, de acordo com o Conselho Mundial de Energia Eólica [3].  

É pouco provável que esta capacidade seja suprida por combustíveis fósseis, especialmente porque as crescentes preocupações com as emissões de carbono e a mudança climática colocam em dúvida as aprovações dos projetos. Como resultado, esperamos ver uma fuga para a qualidade por parte dos investidores que buscam fluxos de receita de baixo risco e de longo prazo, com o aumento das alocações destinadas à infraestrutura de energia renovável.

Um mercado em maturação

As vantagens da América Latina quando se trata de atrair investimentos para as energias renováveis não passaram despercebidas. Nos últimos anos, temos visto a confiança, tanto de desenvolvedores internacionais como de financiadores internacionais, se traduzirem em projetos em todo o continente.

Estes atores foram os primeiros a se movimentarem, e desde então têm sido seguidos por grandes empresas de serviços públicos, que começaram a mudar seu foco de investimento para energias renováveis, depois que a energia convencional começou a perder participação no mercado.

Agora, à medida que as empresas começam a adotar PPAs em massa, o mercado se tornou cada vez mais dinâmico, particularmente no Brasil, Chile e México. Ainda há muito espaço para crescimento em outros mercados, como a Colômbia, e mesmo nos mercados mais consolidados, estamos vendo mais oportunidades à medida que novas tecnologias estão sendo implantadas, desde soluções de armazenamento até módulos bifaciais em usinas fotovoltaicas.

Acreditamos que o mercado ainda está no início de sua curva de crescimento, apresentando múltiplas oportunidades de investimento e vários estudos comprovam isso. De acordo com a Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA), até 2050, a América Latina terá uma capacidade eólica instalada adicional de 131GW e 172GW de nova capacidade solar.

Na Atlas Renewable Energy, nossa equipe experiente está na vanguarda do desenvolvimento e operação de projetos de energia limpa na América Latina. Temos proporcionado aos investidores retornos sólidos e estáveis no Brasil, Uruguai, Chile e outros países, e conhecemos em primeira mão a força do mercado de energia renovável da região. Em toda a região, como já descrevemos aqui, há várias tendências que, em nossa opinião, fazem da energia renovável um investimento atraente. Acreditamos que, com os parceiros certos e projetos cuidadosamente escolhidos, investidores, financiadores e empresas podem colher os benefícios do setor de energia renovável da América Latina por muitos anos – e o momento de fazê-lo é agora.

COMPILAÇÃO DE FONTES

https://www.iea.org/reports/renewable-energy-market-update/challenges-and-opportunities-beyond-2021
https://www.gartner.com/smarterwithgartner/9-future-of-work-trends-post-covid-19/
https://gwec.net/gwec-and-olade-team-up-to-drive-the-energy-transition-in-latin-america/
https://www.irena.org/-/media/Files/IRENA/Agency/Publication/2020/Apr/IRENA_GRO_R06_LAC.pdf?la=en&hash=1493165ED11340CC1F2681321F8D24754F0292C6

Em comparação com outros setores de infraestrutura na América Latina durante a pandemia de Covid-19, a execução de projetos de energia renovável tem demonstrado uma resiliência notável. Após superar os choques no fornecimento desde o início do ano, quando as fábricas interromperam brevemente as operações, a atividade de construção em projetos solares e eólicos – considerada como uma atividade essencial em muitas jurisdições – quase não tem sido interrompida por paradas de trabalho, como as que afetaram outras indústrias.

Ao nos adaptamos ao novo normal, temos trabalhado muito para reunir as melhores práticas para garantir a saúde e segurança dos trabalhadores. Neste artigo, compartilhamos o que aprendemos e como o Covid-19 demonstrou, mais uma vez, a força do setor de energia renovável, mesmo durante uma crise de saúde global.

Aprendendo com a experiência de outros

Esta é uma situação nova para todos, mas isto não significa que precisamos reinventar a roda. Na Atlas, temos relações fortes que abrangem todo o globo. Desde nossos fornecedores na China até nossos empreiteiros da Europa, temos sido capazes de absorver descobertas das regiões que já passaram pelo pior da pandemia e tomar seus protocolos como ponto de partida ao explorar formas de implementar padrões de segurança de nível mundial na América Latina.

Mantendo a segurança dos trabalhadores

Por sua própria natureza, os locais de projetos de energia renovável se prestam bem ao distanciamento social. As turbinas eólicas precisam ser espaçadas com centenas de metros de distância entre si em espaços abertos e vastos e, mesmo os menores de nossos parques solares, são medidos em centenas de acres. Esta realidade inerente nos ajuda a mitigar os riscos no local, logo de cara.

Mas confiar simplesmente na distância natural não é suficiente. Para manter nossos trabalhadores seguros, identificamos muitos fatores de risco ao longo de seu dia – mesmo antes de eles chegarem ao local – e implementamos medidas para mitigá-los.

Adaptamos os métodos de transporte que nossos trabalhadores e empreiteiros utilizam, para garantir o distanciamento adequado entre as pessoas e fazemos diariamente uma limpeza profunda nos veículos, para garantir uma sanitização ideal. Uma vez que os trabalhadores chegam ao local, realizamos reuniões diárias de segurança onde dedicamos tempo para discutir o Covid-19, assegurando que todos estejam cientes dos protocolos que estão em vigor e dando às pessoas a oportunidade de levantar quaisquer preocupações sobre sua saúde. Também estamos verificando os sintomas do Covid-19, o que inclui medições de temperatura e questionários para identificar quaisquer trabalhadores que tenham estado em contato com amigos ou familiares, que possam ter sido expostos ao vírus. 

Como observamos em outros países que muitas pessoas que estão infectadas pelo vírus são assintomáticas, estamos adotando uma abordagem extremamente conservadora em relação à segurança pessoal. Revisamos todo o nosso modo operacional até o final da cadeia de valor, cortando reuniões presenciais desnecessárias com prestadores de serviços. No local, estamos higienizando todas as áreas comuns e fornecendo equipamento de proteção pessoal a cada trabalhador, incluindo máscaras e luvas. Seguindo os exemplos estabelecidos em outras partes do mundo, também estamos explorando a possibilidade de fornecer testes remotos de vírus, o que proporcionará uma camada adicional de segurança para nossos trabalhadores.

Nossas instalações sempre foram tecnologicamente avançadas, mas nestes tempos estranhos, estamos dando um passo a mais. Um exemplo são nossas caminhadas virtuais de segurança, onde nossos supervisores podem agora fazer o check-in à distância sobre o desempenho dos trabalhadores, bem como a adesão aos padrões de segurança através da tecnologia de vídeo. Além disso, implementamos a segregação das equipes, o que minimiza as interações entre os trabalhadores e permite a quarentena de pequenos grupos no caso de qualquer infecção relatada, criando uma forma eficiente de trabalhar, mesmo durante a pandemia.

Combate ao envio de mensagens mistas

Um dos maiores problemas enfrentados pelas autoridades sanitárias internacionais, tem sido garantir que a população mundial esteja adequadamente informada e quebrar mitos sobre a propagação, diagnóstico e tratamento do Covid-19. Isto é muito importante para nós, pois procuramos alcançar o alinhamento entre todos os nossos interessados na identificação e mitigação de riscos. 

O pessoal médico no local desempenha um papel fundamental na comunicação dos fatos sobre a doença aos trabalhadores e na garantia de que eles entendam que as precauções que tomam no trabalho, também precisam ser tomadas fora do trabalho, a fim de proteger suas famílias. 

Nas comunidades locais, nossos agentes de ligação comunitária produziram módulos de comunicação utilizando recursos de instituições internacionais, que saem através da mídia social, rádio e outros meios, para fornecer às pessoas uma fonte confiável de informação nestes tempos de confusão.

Trabalhando juntos como um ecossistema

Não operamos no vácuo e, durante estes tempos difíceis, aprendemos que os canais abertos de comunicação são essenciais para a realização do trabalho. A geração de energia renovável desempenhará um papel transformador na economia pós-Covid-19, e cabe a nós cumprir nossos compromissos com nossos projetos. Nossos laços estreitos com as autoridades locais, com as comunidades em que operamos e com os nossos empreiteiros, têm sido vitais e há um entendimento comum de que precisamos trabalhar em estreita colaboração, para nos adaptar a este novo normal. 

Temos visto reações positivas de todos os nossos empreiteiros, que forneceram sugestões e recomendações com base em suas experiências em outras áreas. Este impulso em direção à aveliação comparativa e ao compartilhamento de conhecimento, trouxe um meio colaborativo de criar melhores práticas, que vão além daquelas exigidas pela legislação nacional, e só servirão para aumentar a resiliência em todo o setor.

As autoridades locais também, conscientes da necessidade de salvar empregos, bem como a saúde da comunidade, facilitaram a transferência de conhecimento entre empresas que operam em suas regiões, para apoiar a conclusão de projetos que trarão emprego e energia limpa para a população. Acreditamos que este novo foco na cooperação permanecerá e ajudará a trazer melhores padrões e maior eficiência em todo o setor.

Avançando ao longo da curva de aprendizado

Vivemos em tempos sem precedentes, e ainda estamos em um período de adaptação. Entretanto, nossas experiências nos ensinaram que, pelo menos para o setor de energia renovável, os impactos da pandemia de Covid-19 podem ser gerenciados com sucesso, na medida em que não prevemos nenhum impacto material na execução dos projetos nos próximos meses. Neste sentido, o mundo pode continuar a investir em oportunidades de energia renovável, criando centenas de milhares, se não milhões, de empregos muito necessários. 

A demanda de energia renovável permanece alta em toda a América Latina, e ao nos colocarmos na vanguarda e estabelecer padrões líderes da indústria para manter as pessoas seguras do Covid-19, estamos garantindo a sustentabilidade de nossos projetos por muitos anos.

FONTES
Entrevista com Executivos da Atlas Renewable Energy

Nos últimos anos, o mercado de energias renováveis latino-americano passou por uma transformação dramática. Fatores de risco político, tendências de investimento, avanços tecnológicos e choques externos afetam o setor de inúmeras maneiras. Como a pandemia de Covid-19 traz distúrbios históricos para as economias do mundo, traçamos as tendências que moldam o mercado latino-americano e  a nossa visão para o futuro do setor.

O setor de energia demonstra resiliência em meio à desaceleração da infraestrutura

O mundo continua a sentir o custo econômico e humano do Covid-19 e seu impacto sobre os projetos de infraestrutura começou a surgir. O surto causou o fechamento de fábricas, paradas na produção e atrasos nas entregas. Como resultado direto, a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) estima uma redução potencial de US$50 bilhões de exportações pelas cadeias globais somente no primeiro trimestre deste ano.[1]

Do lado da demanda, como o financiamento governamental e a capacidade burocrática estão desviados para combater o surto do vírus, os projetos de infraestrutura em andamento foram interrompidos e os oleodutos dos projetos cancelados. Com restrições de movimento e regulamentações de lockdown ainda em vigor em vários lugares, as compras públicas cessaram. Enquanto isso, as restrições operacionais e a incerteza econômica estão atrasando a implementação do investimento do setor privado em muitos projetos de infraestrutura.

O mesmo não acontece no setor elétrico. Como muito da atividade econômica é fortemente dependente do uso de eletricidade, manter, e até mesmo expandir o acesso à energia tornou-se uma prioridade. Devido a este foco na capacidade de geração de eletricidade, governos de todas as regiões têm visto os projetos de energia como um desenvolvimento de infraestrutura essencial, mesmo durante os lockdowns.

A demanda por energias renováveis é mantida mesmo quando o uso de eletricidade diminui

Isso não quer dizer que tudo esteja bem para o setor de energia. A pandemia causou o maior choque ao sistema energético global em mais de sete décadas, com uma queda de 6% na demanda para 2020[2] – o equivalente de perder toda a demanda de energia da Índia, o terceiro maior consumidor mundial de energia. O carvão, que é o principal responsável por este declínio significativo, caiu tanto este ano que acreditamos que a indústria talvez nunca mais se recupere.

As estatísticas de todo o mundo apoiam nossa visão: o Reino Unido marcou um mês inteiro sem queimar um único pedaço de carvão para geração de eletricidade – o período ininterrupto mais longo desde 1882. A Suécia encerrou sua última usina a carvão dois meses antes do previsto. E pela primeira vez na história, os EUA produzirão este ano mais energia a partir de energias renováveis, do que a partir do carvão. Não acreditamos que o carvão volte em breve, sobretudo porque as preocupações com as emissões de carbono e as mudanças climáticas, colocam em dúvida a aprovação de projetos.

Em geral, a queda na demanda de quase todos os principais combustíveis é enorme, especialmente para o carvão, petróleo e gás. Mas as energias renováveis estão se atrasando, de acordo com um novo relatório da Agência Internacional de Energia. Ela projeta que a energia solar fotovoltaica e eólica, estão no caminho certo para elevar a geração de energia renovável em 5% em 2020, à medida que os governos aproveitam esta oportunidade de menor demanda, para reduzir a dependência dos combustíveis fósseis e passar para a energia limpa.

Além disso, como o impacto econômico do Covid-19 atinge os resultados das empresas, elas estão procurando cada vez mais fontes de energia mais baratas para conter os custos, aumentando ainda mais a demanda por energia eólica e solar. Este choque importante, significa que a indústria energética que emergirá desta crise, será bem diferente da que veio antes, e acreditamos que as energias renováveis moldarão o futuro do mundo da energia.

Avanços tecnológicos continuam a reduzir custos

Uma das razões mais óbvias para que as energias renováveis sejam bem-sucedidas, particularmente na América Latina, são seus baixos custos. Esta tendência de queda de preços vai se consolidar ainda mais à medida que os avanços tecnológicos tornarem a energia solar e eólica mais barata – e melhor – com o passar dos anos.

Mas, não acredite somente na nossa palavra. O último relatório da Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA) mostra que a energia renovável não subsidiada é agora a fonte de energia mais acessível para muitos locais e mercados, com reduções de custos previstas para continuar na próxima década.

Enquanto isso, melhorias nos sistemas de armazenamento de baterias, que podem efetivamente integrar altas quotas de energias renováveis solar e eólica em sistemas de energia, bem como um aumento na disponibilidade de redes inteligentes e sistemas de medição em toda a região, demonstrarão que a geração de eletricidade renovável de baixo custo, continuará a sustentar a transformação do setor energético da América Latina até 2050.

Uma nova visão dos financiadores

À medida que os governos procuram impulsionar suas economias pós-pandemia, a demanda de capital por retornos seguros, rentáveis e previsíveis irá aumentar. Projetos greenfield renováveis e operacionais de empresas como a nossa, que têm um forte histórico no setor, fazem ainda mais sentido em momentos como estes.

De fato, como a energia eólica e fotovoltaica não são mais vistas como tecnologias nascentes, temos visto investidores se sentirem mais à vontade com investimentos nestes setores. Os últimos dados da BNEF comprovam isso: o investimento na capacidade de energia renovável no mundo todo subiu para US$282,2 bilhões no ano passado, 1% acima dos US$280,2 bilhões de 2018, mesmo com um cenário de investimentos globais limitados.

Na América Latina, esse crescimento foi substancialmente maior. Em 2019, o Brasil elevou o investimento na capacidade de energia renovável em 74% para US$6,5 bilhões, enquanto o México comprometeu US$4,3 bilhões, 17% acima, e o Chile US$4,9 bilhões, quatro vezes mais. Somente a Argentina conseguiu conter a tendência, com uma queda de 18%.

Estamos vendo investimentos vindo de todos os lados para o setor. Nos últimos cinco anos, os grandes bancos de financiamento de projetos têm oferecido cada vez mais financiamentos tradicionais não-recurso de longo prazo, mas o mercado de capital também tem feito o mesmo. Esta variedade de opções permite aos desenvolvedores obter financiamento mais eficiente tanto em termos de custo quanto de prazo, o que reduz ainda mais o custo da eletricidade, permitindo que os contratos sejam ganhos a um preço mais baixo.

A tendência crescente de financiamento sustentável está pagando dividendos no mercado latino-americano de energias renováveis, com títulos verdes de investimento que impulsionam a construção de inúmeros projetos em toda a região. Nossa emissão recente de uma colocação privada (USPP) de US$253 milhões com a DNB Markets para refinanciar a Javiera e construir o Sol del Desierto, duas usinas solares fotovoltaicas localizadas no norte do Chile, é um exemplo. Ela marca a maior emissão solar fotovoltaica verde USPP da América Latina até hoje. Enquanto isso, estruturas inovadoras, como o bond de US$ 114,4 milhões que emitimos para nossas usinas solares El Naranjal e Del Litoral no Uruguai, demonstram a capacidade dos atores locais de reunir uma sólida estruturação de capital. O financiamento foi colocado pelo DNB Markets e pela Corporação Interamericana de Investimentos (IDB-Invest) e organizado como uma estrutura de títulos A/B com uma parcela sênior de grau de investimento e uma parcela subordinada de grau de sub-investimento, ambas com taxas atraentes e financiamento não-recurso longos.

A ascensão dos APPs corporativos

No entanto, estruturar o tipo certo de financiamento é apenas metade da batalha. Para os investidores, o fator-chave que influencia as decisões é a capacidade de um produtor de energia de assinar contratos de fornecimento com offtakers com histórico financeiro saudável.

Devido, em grande parte, à pressão sobre as corporações por soluções energéticas sustentáveis e econômicas, os contratos de compra de energia corporativa (PPAs), nos quais as empresas compram eletricidade diretamente de geradores independentes em vez de uma concessionária, têm subido na América Latina.

2019 marcou um ano recorde para os PPAs corporativos na região, já que as empresas compraram 2GW de energia limpa – um aumento de três vezes em relação a 2018. Este número deve aumentar ainda mais à medida que um número crescente de empresas pretende reduzir as emissões em conformidade com o Acordo de Paris, e assinar iniciativas como a meta RE100, pela qual se comprometem a compensar 100% de sua demanda de eletricidade com energia limpa.

Mas não são apenas os fatores de sustentabilidade que estão impulsionando esta tendência. A liberalização do mercado também está ajudando. Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e o Peru emitiram regulamentações que facilitam o acesso a APPs bilaterais e mercados à vista, e também vimos empresas buscar nesses acordos vantagens econômicas, incluindo a previsibilidade de preços a longo prazo e a capacidade de se proteger contra futuros aumentos de preços.

Com o crescimento do mercado de energia renovável e de armazenamento de energia na América Latina, mais estruturas inovadoras estão disponíveis para espalhar os APPs corporativos a um maior número de participantes, com menos contratos take-or-pay e uma mudança para acordos focados na entrega que visam servir a carga do offtaker.

As políticas de investimento e energia apoiam a transição para as energias renováveis e impulsionam a economia

Durante a COP25 da Conferência Climática das Nações Unidas em Madri no ano passado, uma nova iniciativa regional coordenada pela Organização Latino-Americana de Energia (OLADE) estabeleceu planos para atingir pelo menos 70% de energia renovável em eletricidade até 2030. O compromisso do Chile, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, Equador, Guatemala, Haiti, Honduras, Paraguai e Peru está aberto para a participação de outros países da região, e busca construir a partir do progresso mundial alcançado por uma série de reformas implantadas pelos governos de toda a região, que visam atrair investimentos para a indústria latino-americana de energia renovável.

Acreditamos que a América Latina continuará a liderar o mundo em sua dedicação ao crescimento da participação das energias renováveis na matriz energética da região, mesmo diante de um contexto político incerto em alguns países. Vimos por nós mesmos que, embora as novas administrações muitas vezes tragam consigo novos investimentos e políticas energéticas, afetando o apetite por diferentes mercados, o compromisso global com a energia limpa em toda a América Latina tem permanecido bastante constante.

A rentabilidade contínua da energia renovável está agora em nítido contraste com outros ativos em toda a região, com muitos apoiadores que veem o setor como uma aposta relativamente mais segura nestes tempos conturbados. Na verdade, além de ser uma aposta mais segura, acreditamos que as energias renováveis ajudarão na recuperação da América Latina após o Covid-19.

Terra de oportunidades – com o parceiro certo

O mercado de energia renovável na América Latina está em um ponto de inflexão, pronto para se expandir substancialmente e ajudar a impulsionar a recuperação econômica pós-Covid. Com políticas favoráveis de energia, investimento e a crescente demanda por energia limpa, a região oferece perspetivas sem precedentes para os investidores que são capazes de navegar no mercado. Mas nem todas as oportunidades são criadas de forma igual. A fim de aproveitar a revolução da energia verde na América Latina, os investidores devem garantir o apoio de parceiros confiáveis que possam estruturar transações lucrativas e seguras, com foco em uma forte gestão de risco e contratos de longo prazo e estáveis com patrocinadores dignos de crédito.

A Atlas é uma empresa líder na geração de energia renovável operando em toda a América Latina. Com uma das maiores bases de ativos solares da região, a Atlas é especializada no desenvolvimento, construção e operação de projetos de energia renovável em larga escala, que são feitos sob medida para as necessidades energéticas da América Latina. Para mais informações, entre em contato no endereço: contacto@atlasren.com

FONTES


[1] https://unctad.org/en/pages/newsdetails.aspx?OriginalVersionID=2297

[2] https://www.weforum.org/agenda/2020/05/covid19-energy-use-drop-crisis/

O número de PPAs bilaterais de energia renovável na América Latina alcançou novos recordes, mas essa prática ainda não foi plenamente adotada. Com a pressão cada vez maior sobre as corporações para encontrar soluções de energia alternativas, sustentáveis e econômicas, esperamos que essas estruturas inovadoras se estabeleçam como uma característica transformacional no cenário energético da região – mas encontrar o parceiro certo para guiar as empresas quanto as escolhas disponíveis, será essencial para que essa tendência se estabeleça.

Nos últimos anos, a América Latina presenciou um grande aumento nos contratos corporativos de aquisição de energia (PPAs), nos quais as empresas compram eletricidade diretamente de geradores independentes, e não de uma concessionária. No ano passado, empresas da região adquiriram uma quantia recorde de 2GW de energia limpa através dessas estruturas – três vezes a quantidade adquirida em 2018.

Com o crescimento do mercado de energia renovável e armazenamento de energia na América Latina, estruturas mais inovadoras estão sendo disponibilizadas para oferecer PPAs corporativos a um maior número de clientes, com um número reduzido de contratos “take-or-pay” e maior ênfase em acordos focados na entrega, que visam servir à carga do consumidor.

Como funcionam os PPAs corporativos?

A capacidade de servir a carga do consumidor é essencial para o crescimento de PPAs. As empresas de serviços públicos tradicionais da região ainda são ainda entidades fortemente regulamentadas, cujo modelo de negócios nem sempre possui os mecanismos ou incentivos necessários para responder às demandas dos clientes por energia renovável. 

Enquanto que algumas companhias globais optaram por produzir sua própria energia renovável – por exemplo, firmas de base de dados – essa opção nem sempre é possível, em grande parte porque diverge do foco principal do seu negócio, e porque o terreno necessário para construir um projeto local que supra as necessidades de energia da companhia, pode não estar disponível.

É aqui que entram os PPAs. Em resumo, um PPA é um contrato para comprar energia diretamente de um gerador de energia, em vez de usar as tarifas de uma Companhia de Distribuição, frequentemente por um preço fixo. Embora cada contrato seja diferente e adaptado para atender às necessidades da empresa que compra a energia, os princípios básicos de cada tipo de PPA permanecem os mesmos.

PPAs físicos são a forma tradicional da estrutura, onde o comprador de energia firma um contrato de longo-termo pela energia gerada em um projeto renovável, recebendo entregas físicas da energia produzida. 

Em jurisdições onde a venda direta de energia não é permitida, ou onde um PPA físico não é a solução ideal, existe a alternativa de um PPA virtual. Este é um contrato estritamente comercial, sob o qual o comprador corporativo adquire eletricidade de um vendedor de energia renovável por uma taxa negociada. A energia gerada pelo vendedor é vendida na rede local por um preço de atacado, e o comprador e vendedor então negociam a diferença entre o preço negociado e o preço local de atacado, usando um contrato para acordo de diferença. Embora pareça mais exótico, em essência ele alcança exatamente os mesmos objetivos.

Por que as empresas estão adotando PPAs?

Esperamos ver o número de empresas que adotam PPAs de energia renovável subindo cada vez mais nos próximos anos, por diversos motivos.

Primeiro, um número crescente de empresas estão se conscientizando quanto a sua responsabilidade pelo aquecimento global – uma ameaça desproporcional para a América Latina. A região, que possui alguns dos recursos ambientais mais sensíveis do mundo, está se organizando contra a crise climática, com o mesmo ativismo verde e jovem que tornou famosa Greta Thunberg, se transformando em uma presença regular em cidades desde o Rio de Janeiro até Bogotá.

Para muitas empresas, o uso de energia renovável é uma forma de se conectar à base de consumidores ecologicamente conscientes, e um número crescente de empresas estão se comprometendo a reduzir suas emissões de acordo com o Tratado de Paris

Mas não são apenas fatores de sustentabilidade que estão impulsionando a tendência de adoção de PPAs em energias renováveis na América Latina. Ao contrário dos EUA e Europa, onde a energia renovável foi altamente subsidiada para encorajar sua produção, na América Latina ela é frequentemente a fonte de energia mais econômica para muitas localizações e mercados, sem subsídios. Graças aos contínuos avanços tecnológicos, essa tendência de preços parece duradoura, e cada vez mais empresas querem aproveitar fontes renováveis pela vantagem de custos menores.

Preços baixos são relevantes, mas com países como a Argentina, Brasil, Chile, Colômbia e Peru criando regulamentações que facilitam o acesso de consumidores à PPAs bilaterais e mercados à vista, empresas também podem buscar nesses acordos vantagens econômicas e financeiras de longo prazo

Embora cada contrato seja feito sob medida, em geral, quanto maior a duração do PPA, menores os preços que o vendedor pode disponibilizar ao comprador. Com prazos de até 25 anos, esses acordos oferecem uma oportunidade de garantir preços baixos por anos a fio, protegendo compradores corporativos contra uma volatilidade futura no preço de energia. Essa exposição reduzida à volatilidade do mercado oferece uma visão de custos mais clara, de uma perspectiva de capital circulante – uma vantagem crucial quando o futuro econômico permanece incerto.

Enquanto isso, com diversas empresas da região se comprometendo a alimentar suas operações com 100% de energia renovável no futuro próximo, PPAs bilaterais com produtores de energia renovável oferecem uma vitória rápida pelo cumprimento das metas ambientais. Assinar um PPA de energia renovável pode ajudar companhias a diminuir suas emissões de carbonos de um modo transparente e rastreável, oferecendo a oportunidade de tornar sua marca mais verde e sustentável.

Outra característica inovadora dessas estruturas, e uma nova tendência no Brasil em particular, é a habilidade de reduzir riscos relacionados à moeda, ao denominar PPAs em, por exemplo, dólares americanos. Diversos PPAs assinados recentemente entre nós da Atlas Renewable Energy e corporações brasileiras são um exemplo perfeito disso. A Atlas firmou PPAs em dólares para novos investimentos, em valores superiores a 350 milhões de dólares, para fornecer mais de 1,180 GWh por ano em contratos de 15 anos com grandes clientes industriais.

Para quem são os PPAs?

Embora empresas de tecnologia dominem globalmente a aquisição de energia limpa através de PPAs, devido às suas grandes demandas energéticas – o maior comprador de energia limpa por PPAs ano passado foi o Google, com 2.7GW, mais que qualquer outra corporação – na América Latina, são as mineradoras que lideram a corrida, particularmente no Brasil e Chile.

Entretanto, com corporações de todos os tamanhos na região se atentando para as oportunidades de uma redução significativa na redução de CO2, e de aumentar sua competitividade com a rápida queda no custo de energias renováveis, nós vemos interesse de uma grande variedade de setores, desde fábricas até empresas de varejo, processamento, transporte, centros de dados, óleo & gás. As possibilidades são praticamente infinitas – desde fabricantes de cerveja procurando por meios ecológicos de energizar sua produção, até companhias químicas em busca de maneiras mais econômicas de suprir suas fábricas, PPAs bilaterais de energia renovável podem ser a resposta.

Os PPAs também não se limitam apenas às grandes multinacionais. Existe uma tendência global crescente de empresas menores dentro da mesma indústria, que se juntam para agregar seu poder de compra e negociar PPAs em grupo, e esperamos que essa tendência também vá se firmar na América Latina, com cada vez mais empresas decidindo aderir aos custos baixos e previsíveis da energia solar e eólica.

Uma tendência crescente

Embora a adoção de PPAs corporativos na América Latina esteja atrasada em relação ao resto do mundo, nós acreditamos que seja primeiramente devido a uma falta de consciência quanto aos seus benefícios. Nesse sentido, a Atlas Renewable Energy é um parceiro ideal para grandes consumidores de energia que buscam cortar custos e limpar suas emissões de carbono.

Na Atlas Renewable Energy, nossa equipe tem uma sólida formação e experiência em estruturar PPAs corporativos, desde o conceito até a operação. De fato, foi a mesma equipe de gestão que assinou o primeiro PPA de energia solar na América Latina, em 2012. Nós presenciamos reformas regulatórias de larga escala em muitos mercados nos quais participamos, que pavimentaram a estrada para contratos bilaterais de energia renovável. PPAs corporativos já são uma característica comum de mercados na América do Norte, Europa, Oriente Médio e África, e, conforme a novidade se espalha pela América Latina, PPAs corporativos na região vão ter presença cada vez mais forte.

A tendência, tanto global quanto regionalmente, aponta para o aumento dos PPAs de energia solar e eólica nos próximos anos. Não importa o setor ou a região, um PPA pode ser encontrado para satisfazer as necessidades específicas de cada empresa. Encontrar o parceiro certo para desenvolver uma solução ágil, de baixo custo, e sem complicações, vai ser uma vantagem competitiva para empresas, permitindo que demonstrem suas credenciais ecológicas reais ao gerenciar custos e obter segurança energética.

Fontes:

https://www.bakermckenzie.com/-/media/files/insight/publications/2018/07/fc_emi_riseofcorporateppas_jul18.pdf?la=en
https://pv-magazine-usa.com/2017/03/20/solar-goes-corporate-the-rise-of-the-bilateral-ppa/

A pandemia de Covid-19 está empurrando a economia global para sua primeira recessão desde 2009, e a América Latina já sente seus efeitos. Conforme governos implementam medidas de emergência e líderes corporativos pensam em estratégias de redução de custos, um retorno à normalidade ainda se encontra distante. No entanto, o caminho da recuperação pode ser pavimentado pelas oportunidades apresentadas pela energia renovável, dando espaço a um futuro mais sustentável e igualitário.

Enquanto o surto do coronavírus continua a atingir os mercados mundiais, a queda na atividade econômica global está prejudicando as exportações de bens e serviços da América Latina, interferindo nas cadeias de produção e restringindo as condições financeiras desses países. Nos mercados onde trabalhamos, empresas correm para enxugar custos, enquanto governos se movimentam para mitigar os impactos na saúde, sociais e econômicos do vírus com medidas de contenção, programas emergenciais de liquidez e pacotes de estímulo fiscal.

Estas medidas de curto-prazo têm servido para lidar com os problemas imediatos trazidos pela pandemia, mas para uma resiliência sustentável, a longo prazo, acreditamos que uma estratégia energética robusta será central nos planejamentos para o futuro – e a energia renovável será central nesse processo.

Medidas de cortes de custos das empresas

Nos mercados latino-americanos onde operamos, estamos vendo empresários enxugando seus custos e tentando prever com precisão suas receitas para realizar planejamentos confiáveis de seus negócios. Pesquisas realizadas pela empresa de consultoria Mercer comprovam este fato: pelo menos dois terços das companhias latino-americanas estão preocupados com o impacto econômico da crise em seus negócios, com 54% já realizando cortes de funcionários e despesas de trabalho.

Estas são medidas rápidas e de contenção, mas os indicadores mostram que o Covid-19 exigirá de nós medidas a longo-prazo. O PIB da América Latina tem previsão de diminuir até 5% este ano, e a demanda doméstica deve cair drasticamente enquanto as políticas de distanciamento social para evitar a propagação do vírus continuarem impactando no consumo.

Dependendo do setor industrial, os custos de energias ocupam entre a primeira e a quarta posição nos custos de operação das empresas, e por isso vemos companhias levarem o consumo e fonte da energia que utilizam cada vez mais em conta nas suas estruturas financeiras.

Acordos de Compra de Energia (ACE) de energias renováveis, onde companhias compram eletricidade diretamente de geradores independentes no lugar de uma planta de energia, têm aumentado nos últimos anos, com 2019 vendo a triplicação desses acordos na América Latina.

Estruturado como um contrato entre um receptor corporativo e um produtor de energia, esses acordos permitem a compra de energia elétrica a um preço fixo por um período determinado. Para compradores corporativos, isso significa visibilidade e certeza quanto aos custos futuros em eletricidade, além de uma proteção contra a volatilidade dos preços de energia – uma chave para continuar prosperando no mundo pós-Covid-19.

Nossa equipe foi a primeira a implementar uma ACE privada de energia solar no Chile oito anos atrás, e desde então replicamos este sucesso no Brasil e no México. Estamos vendo um aumento no número de pedidos de companhias em vários setores, buscando uma estratégia energética que dê conta do equilíbrio financeiro nestes tempos de contenção, e acreditamos que este padrão persistirá no futuro.

Governos olham para as energias renováveis como uma possibilidade de vitória

Como no restante do mundo, as pessoas na América Latina têm contado com os seus governos para encontrar soluções à crise do coronavírus. Aqueles que agiram rapidamente receberam amplo apoio popular, mas medidas a longo prazo também serão necessárias para manter a economia nos trilhos nos próximos meses e anos.

Conforme os governos mudam seus focos das medidas emergenciais para uma visão a longo prazo, uma transição baseada em energia renovável pode fornecer resiliência e recuperação igualitária para a crise, sem deixar ninguém para trás. Nós vemos isso em nossos projetos que levam alternativas energéticas limpas e baratas para a região. E não somos apenas nós que acreditamos na força das renováveis: em seu Relatório Global de Renováveis, publicado em abril deste ano, a Agência Internacional de Energia Renovável prevê que uma transição energética como parte integral dos planos de recuperação que resultará em um ganho de PIB global de quase 100 trilhões de dólares até 2050.

Nesse sentido, países latino-americanos já saíram na frente. Eles determinaram, coletivamente, a transição para 70% do consumo partindo de renováveis até 2030, mais que o dobro da meta da União Europeia, enquanto 81% das contribuições nacionais determinadas pelo Acordo de Paris contra as mudanças climáticas da região incluem a quantificação de energias renováveis – contra 67% globalmente.

Em vez de contribuir para a tragédia do Covid-19, permitindo que ela atrase a transição para energias renováveis, acreditamos que os governos latino-americanos têm uma oportunidade sem precedentes para ajudar a acelerar a transição, utilizando a atual situação para aumentar suas ambições climáticas e lançar pacotes de estímulo ao sustentável com foco em energia renovável.

Com custos muito abaixo daqueles de usinas de energia tradicionais, muitas tecnologias renováveis podem ser aprimoradas relativamente rápido, ajudando a reviver indústrias e a criar até 3,2 milhões de empregos na região, compensando – ainda que parcialmente – os impactos econômicos e sociais do surto do coronavírus.

Enquanto o petróleo despenca, renováveis são fontes seguras para investimentos em energia

O Covid-19 não é o único choque interferindo nas economias latino-americanas. O atual colapso nos preços do petróleo para muito abaixo do custo marginal de extração na maior parte da região colocou em pausa projetos de desenvolvimento e exploração do recurso. Muita oferta e decrescimento da demanda forçou investidores avessos à riscos deixarem o petróleo aos montes, com ações e títulos de produtores como Ecopetrol, Petrobrás e Pemex caindo significativamente.

O aumento da imprevisibilidade dos retornos em investimentos em hidrocarboneto aumentou os benefícios das energias renováveis, que vêm se fortalecendo com o passar dos anos. Até muito recentemente, combustíveis fósseis mantinham uma vantagem competitiva com a energia renovável. Este não é mais o caso. Na América Latina, energia renovável sem subsídio é frequentemente a fonte de energia mais acessível para inúmeros locais e mercados. Esperamos ver grandes números de investidores procurando por energia eólica e solar como alternativas confiáveis, acessíveis e de escala, investindo capital em novos projetos que incentivarão a transição para energias limpas na região.

Uma visão do futuro

A possibilidade das energias renováveis sustentarem a recuperação pós-Covid não é apenas em relação à economia. Trata-se de melhorar as condições de saúde e vida nas cidades latino-americanas.

Nos últimos meses, vimos o que é possível com um sistema de energias limpas. Pesquisas realizadas pela Carbon Brief mostram que a crise do coronavírus pode resultar na maior queda anual nas emissões de CO2 até hoje. Como a região mais urbanizada do mundo, com 80% de suas populações vivendo em cidades, a América Latina já é testemunha disso. A cidade de Santiago, no Chile, uma das metrópoles mais poluídas da região, já viu queda de 30% na poluição visível, enquanto cidadãos de Bogotá e Belo Horizonte tomaram as redes sociais com fotos de céus limpos.

Acreditamos que esta nova consciência sobre o que o futuro guarda para nós caso façamos as escolhas energéticas corretas leve a um aumento na pressão aos governos e corporações da região, recuperando as piores situações de poluição do ar urbano.

A pandemia irá resultar em mudanças duradouras, e companhias, governos e investidores têm uma oportunidade única de definir a realidade no mundo pós-coronavírus. Aqueles que conseguirem incluir a produção, consumo e progresso sustentável em relação às metas de carbono nos seus negócios estarão na crista da onda e, em nossa opinião, a economia de custos, benefícios ambientais e oportunidades de emprego das energias renováveis serão a sustentação do crescimento no caminho da recuperação da região.

Compilação de Fontes

https://www.irena.org/publications/2020/Apr/Global-Renewables-Outlook-2020

https://www.latinamericahydrocongress.com/en/news-en/latin-america-sets-a-collective-renewable-target-of-70-by-2030-more-than-double-the-eu

Inovações em energia solar estão a ser testadas numa das primeiras plantas de energia Solar na América Latina.

Leia mais

Através de uma iniciativa social, a Atlas Renewable Energy conseguiu oferecer acesso à internet para crianças mexicanas em escolas rurais.

Leia mais

Assim como a tecnologia, fontes de energia renováveis também se beneficiam de avanços sistémicos. Mesmo assim, nem todas as inovações vêm na forma de painéis solares mais eficientes. Algumas são introduzidas por inovações financeiras.

O financiamento de projetos no setor das fontes de energia renováveis desempenha o papel essencial de permitir que a indústria continue progredindo. Em outras palavras, sem financiamento viável para custear projetos, o setor fica estagnado. Métodos melhores e inovadores de financiamento criam oportunidades únicas para investidores e, com uma melhor estrutura financeira, os preços da energia para os consumidores se tornam mais acessíveis. Além disso, o apoio a projetos de energias renováveis em larga escala, que reduzem os preços da energia, permite uma melhor implementação de energia limpa e crescimento econômico na região.

Atlas Renewable Energy Abre Novos Caminhos

A expansão da Atlas Renewable Energy está focada nas economias emergentes da América Latina. Com as atuais inovações tecnológicas e financeiras, temos conseguido oferecer energia limpa na região, acumulando um histórico de desenvolvimento, financiamento e execução de projetos relacionados. Acreditamos que uma estruturação financeira personalizada permite alocações de risco mais precisas, resultando em preços mais baixos para os consumidores finais. Isto pode significar um avanço tão importante quanto os desenvolvimentos em tecnologia de energia solar.

Em toda a região, desenvolvemos várias instalações de painéis solares com diferentes estruturas de financiamento. Um desses projetos está localizado no Uruguai, onde nosso cliente para a energia produzida é uma empresa estatal, a UTE, que exigiu um acordo de compra de energia (PPA) de mais de 25 anos. Isto representou um desafio e uma oportunidade interessante, porque a maioria dos bancos que financiam esse tipo de projeto oferece períodos máximos de financiamento de 10 a 15 anos, com alguns poucos oferecendo até 18 anos. Nós resolvemos este problema criando uma nova estrutura de financiamento onde duas oportunidades privadas de longo prazo (ou seja, títulos) foram emitidas nos Estados Unidos, permitindo que múltiplos investidores de todo o mundo participassem com diferentes alocações de risco. Esses investidores de títulos estão acostumados a retornos de longo prazo.

O negócio foi composto por um título de investimento sênior totalizando US$ 103 milhões, e um título de dívida subordinada totalizando US$ 11,5 milhões, dos quais o IDB-Invest financiou uma parcela proporcional. (DNB Markets Inc. atuou como co-arranjador e agente das parcelas sênior e sub B.)

Os títulos sênior e subordinados têm duração de 24 anos e 15 anos, respetivamente, e depois os investidores saem dos seus investimentos e a Atlas Renewable Energy continua a operar e fornecer os requisitos de energia para o restante do acordo de compra de energia. O acordo foi apoiado pelo IDB-Invest como credor de registro (do Grupo do Banco Interamericano de Desenvolvimento – IDB, um afiliado do Banco Mundial) e organizado em uma estrutura de obrigações A/B que inclui tanto as parcelas de notas sênior e subordinadas. Essa colaboração foi um acordo completamente novo no contexto de projetos de Renovação na América Latina e permitiu que a Atlas Renewable Energy fosse premiada com o Acordo de Obrigações Estruturadas do Ano pela Bonds & Loans Latin America.

Cerimônia de Premiação em Bogotá, Carlos Barrera – CEO da Atlas Renewable Energy e Michael Shea – Chefe de Estruturação Financeira recebem o prémio.

O que foi particularmente interessante sobre o acordo é que demonstra que os investidores internacionais podem e querem participar no desenvolvimento energético da região, que prazos longos a taxas ótimas podem ser alcançados e que essa nova estrutura de financiamento pode servir de novo modelo para ajudar a resolver as necessidades de capital a longo prazo da região. Isto também comprova a estabilidade e eficiência das tecnologias de fontes renováveis; que investidores vêm reconhecendo como negócios de baixo risco a longo prazo.

Benefícios da B-Bond

O financiamento com a estrutura de títulos B permite a expansão de fontes de financiamento substituto através do mercado de capitais para investidores privados sob um guarda-chuva multilateral, fornecendo uma alternativa forte e adequada ao financiamento bancário ou financiamento tradicional dos mercados de capitais. Esse tipo de financiamento ajuda a trazer liquidez adicional e valor potencial a uma determinada transação, sob a estrutura implícita de seguro de risco político do IDB por meio da sua função de “credor de registro”.

Inovação no Mercado de Capitais para Energia Solar Fotovoltaica

Os parâmetros necessários para obter uma classificação de grau de investimento para um título de energia solar/verde permanecem bastante onerosos e são conservadores por natureza. Do ponto de vista de fluxos de caixa, um título com avaliação de grau de investimento vai exigir uma percentagem relativamente baixa das receitas da instalação para pagar a dívida associada (em comparação com empréstimos bancários de longo prazo, por exemplo). Dado o histórico da tecnologia fotovoltaica como uma classe de ativos, existe amplo apetite de investidor pela exposição ao risco de fluxos de caixa adicionais a uma taxa de retorno competitiva (até 80% no caso de empréstimos bancários de longo prazo); especialmente quando há um componente comercial limitado. Por essa razão, a incorporação de uma parcela subordinada ou “intermediária” oferece uma solução interessante para alcançar índices de alavancagem mais robustos, resultando em preços de energia mais baixos para os consumidores finais. A inovação financeira pode desempenhar um papel fundamental no crescimento de energias renováveis na América Latina. Quando bem feita, pode oferecer novas possibilidades para os investidores, taxas atrativas de retorno e poupança de energia para os consumidores. Essas grandes vitórias para todas as partes envolvidas enaltecem o potencial e o brilhante futuro que as fontes de energia renováveis têm na América Latina e é uma das razões para o otimismo nessa indústria.


A utilização de energia solar na América Latina permite que mineradoras obtenham energia a preços mais competitivos.

Mineração Com Grande Uso de Energia na América Latina

Segundo estimativas, indústria global de mineração consome 400 terawatts/hora de energia anualmente, o equivalente à demanda energética de toda a França. Uma grande parcela desse consumo acontece na América Latina, que é rica em minérios. Lar dos maiores depósitos de cobre, prata, lítio e ouro, o setor de mineração no continente é uma indústria de bilhões de dólares, que está cada vez mais em busca de fontes renováveis de energia para suprir sua demanda.

Para obter o produto final da mineração e atender à crescente demanda mundial por esses elementos, o minério passa por diversos processos com alta utilização de energia. O custo financeiro da energia utilizada no setor corresponde a 1/3 do custo total de operação, com tendência de crescimento conforme os depósitos de minério mais acessíveis se extinguem, tornando necessária a utilização de processos mais complexos e com maior custo energético.

Incorporando Energia Renovável no Processo de Mineração

Para lidar com esses novos desafios, companhias de mineração estão cada vez mais utilizando fontes de energia solar e eólica para atender sua demanda por energia, reduzir a emissão de gás do efeito estufa e diminuir os custos de operação no setor.

Energia renovável de fontes não-convencionais está sendo cada vez mais utilizada como uma solução viável para problemas de demanda energética na América Latina. Por exemplo, nos últimos cinco anos a utilização de energia renovável no Chile foi de 5% do total para 18%. A energia gerada por painéis solares se torna cada vez mais competitiva quando comparada às fontes convencionais – especialmente na América Latina, uma região que se beneficia de altos níveis de irradiação solar – grande parte ainda não utilizada. A tecnologia de painéis fotovoltaicos também sofreu enorme redução de custos na última década, fator que, aliado ao aumento de eficiência, diminuiu o preço dessa fonte de energia para menos de 50% do custo de fontes convencionais (como carvão e gás natural). Além disso, painéis solares e, em alguns lugares, energia eólica, estão atingindo um custo de 50% do custo de energia hidrelétrica convencional em algumas localidades. Essas mudanças estão trazendo maiores investimentos em energia solar para substituir fontes convencionais.

A usina de energia solar ‘Javiera’ da Atlas Renewable Energy, localizada em Antofagasta, no norte do Chile, é um grande exemplo da nova tendência de investimento em energia solar por mineradoras. A usina de 69 MegaWatts de potência fornece energia solar para a mina de cobre Minera Los Pelambres, propriedade da Antofagasta Minerals, a maior companhia privada de mineração no Chile, e atende à 15% da demanda por energia da companhia.

A indústria de mineração no Brasil, Colômbia, México e Peru também podem adotar estratégias de incorporação de fontes não-convencionais de energia renovável na sua operação. Dessa maneira, além de cortar o custo da energia quase pela metade, também poderão contribuir com a construção da imagem de empresas verdes, podendo operar com parceiros que têm maiores exigências ambientais. Empresas de tecnologia, que dependem da mineração na América Latina para confeccionar seus produtos, estão ansiosas para diminuir a emissão de carbono na sua cadeia produtiva, demandando o mesmo de seus fornecedores.

Perspectiva Para O Futuro

Previsões do mercado indicam que fontes renováveis serão responsáveis por suprir 5-8% da demanda energética de mineradoras até 2022, com metas mais ambiciosas buscando atingir até 15% nesse mesmo período. Essa nova tendência resultará na triplicação da capacidade global do mercado até 2027. A incorporação de energia solar dá às mineradoras da América Latina uma oportunidade única de suprir sua demanda energética de maneira sustentável, confiável e com baixos custos. Energia solar não é apenas uma alternativa sustentável, mas também uma maneira de reduzir custos e continuar competitivo em uma indústria onde a redução de custos é essencial.


Sources

  1. Slavin, Andrew. “Mining Industry Starts to Dig Renewables.” Energy and Mines, 7 June 2016, www.energyandmines.com/2016/06/mining-industry-starts-to-dig-renewables/.
  2. Bhattar, Payal. “Latin American Mining: Switching to Renewables.” Latin American Mining Switching to Renewables, 25 July 2018, www.wartsila.com/twentyfour7/energy/latin-american-mining-switching-to-renewables.
  3. Sanderson, Henry. “Miners Turn to Green Power Options.” Financial Times, Financial Times, 3 Oct. 2018, www.ft.com/content/b3b7fe4a-a5fc-11e8-a1b6-f368d365bf0e.
  4. Dickerson, Kelly. “How Gold Is Destroying Peru’s Rainforests.” Business Insider, Business Insider, 1 Nov. 2013, www.businessinsider.com/gold-mining-destroying-peruvian-amazon-2013-10.
  5. Gleeson, Daniel. “Miners Moving towards the Renewable Energy Path, Says Fitch Solutions.” International Mining, 11 Sept. 2018, www.im-mining.com/2018/09/11/miners-moving-towards-renewable-energy-path-says-fitch-solutions.
  6. “The Role of Generators in Mining Chilean Copper.” New & Used Generators, Ends and Engines | Houston, TX | Worldwide Power Products, www.wpowerproducts.com/news/the-role-of-generators-in-mining-chilean-copper/.
  7. Plumber, Bran and Popovish, Nadja. “These Countries Have Prices on Carbon. Are They Working?” The New York Times, The New York Times, 2 April 2019, www.nytimes.com/interactive/2019/04/02/climate/pricing-carbon-emissions.html.
  8. Viscidi, Lisa, and Ariel Yépez. “The Energy Solution Latin America Needs.” The New York Times, The New York Times, 1 Feb. 2018, www.nytimes.com/2018/02/01/opinion/energy-grid-latin-america.html.
  9. “Solar Energy in Latin America: Four Key Impact Drivers.” Targray, 14 Feb. 2019, www.targray.com/articles/solar-energy-latin-america.
  10. Molina, Pilar Sánchez. “Colombia Issues Regulation for Distributed Solar Generation.” Pv Magazine International, 5 Mar. 2018, www.pv-magazine.com/2018/03/05/colombia-issues-regulation-for-solar-distributed-generation.
  11. Bellini, Emiliano. “Antofagasta Minerals Sells Stake in 69.5 MW PV Plant in Chile.” Pv Magazine International, 31 May 2017, www.pv-magazine.com/2017/05/31/antofagasta-minerals-sells-stake-in-69-5-mw-pv-plant-in-chile/
  12. Funicello-Paul, Lindsay. “Press Release | Renewable Energy in the Mining Industry.” Press Release | Renewable Energy in the Mining Industry, 27 Feb. 2019, www.navigantresearch.com/news-and-views/annual-revenue-for-renewables-and-energy-storage-in-the-mining-sector-is-expected-to-generate-roughl.