Em todo o mundo, o comportamento do consumidor está passando por uma mudança dramática. Comprar tornou-se um ato político, com as marcas que buscam tornar o mundo um lugar melhor sendo recompensadas com vendas crescentes e maior fidelização dos clientes. Neste enfoque sobre a América Latina, analisamos como, à medida que a população da região procura comprar a mudança que deseja ver no futuro, as empresas devem melhorar em sustentabilidade e nas questões ambientais – ou correm o risco de perder sua clientela.

A EVOLUÇÃO DO CONSUMIDOR VERDE

Nos últimos anos, os compradores em todo o mundo começaram a compreender que seu poder de compra pode fazer a mudança acontecer. Os consumidores estão pedindo que as empresas mostrem seus valores, recompensando aquelas que se alinham com seus valores.

Esta é uma mudança de paradigma em relação ao ativismo do consumidor de antigamente, quando os boicotes a marcas eram uma forma de exercer pressão sobre as grandes empresas. Em um relatório recente da empresa de pesquisas Weber Shandwick sobre esse cenário em mudança, descobriu-se que 83% dos consumidores agora preferem o ativismo positivo – apoiar as empresas ao comprar delas, em vez de evitar aquelas cujas práticas discordam.

No mundo hiper conectado de hoje, onde as decisões de compra são tão influenciadas pela mídia social quanto pela publicidade, o impacto do apoio do consumidor na reputação de uma marca é imenso. E embora o ativismo do consumidor assuma muitas formas, é cada vez mais o desempenho ambiental e de sustentabilidade das empresas que os compradores estão aprimorando, com a empresa Nielsen, que avalia a percepção do consumidor, calculando um salto de quase 50% nas vendas de produtos sustentáveis em 2021, em comparação com 2014.

A AMÉRICA LATINA ASSUME A LIDERANÇA

Em seu relatório de 2019, a Nielsen concluiu que a América Latina está à frente da curva global no que diz respeito ao consumo sustentável. Um total de 85% dos consumidores latino-americanos disseram que certamente ou provavelmente mudariam seus hábitos de consumo para reduzir seu impacto no meio ambiente – contra apenas 73% globalmente.

Embora a maioria dos esforços do consumidor ainda esteja focada em ganhos tangíveis – como a seleção de produtos com embalagens recicláveis ou menos recicláveis, surgiu uma tendência crescente, onde os consumidores buscam empresas que vão ainda mais longe.

Em 2018, a empresa colombiana de alimentos Tosh tornou-se a primeira grande marca do país a ser certificada como neutra em carbono, compensando 17.000 toneladas de CO2 a cada ano ao reformular a sua marca e demonstrar suas credenciais de sustentabilidade aos clientes. Enquanto isso, a maior multinacional de cosméticos do Brasil, a Natura, controla e monitora rigorosamente todas as emissões de carbono relacionadas a seus processos de embalagem, logística, produção e transporte. E alguns anos atrás, o Chile tornou-se a sede do primeiro vinho neutro em carbono do mundo.

Esse foco na neutralidade de carbono também está começando a se infiltrar no consumo de energia corporativo. Diante da pressão dos consumidores para serem verdes e reduzir seu impacto no meio ambiente, as marcas e fabricantes multinacionais de bens de consumo que estabeleceram bases na América Latina, devem mudar sua abordagem e repensar de onde vêm suas necessidades de eletricidade.

Este é o início de uma transformação que não vai parar. Os consumidores não querem mais simplesmente produtos sustentáveis – eles querem que as empresas das quais estão comprando sejam sustentáveis em todas as suas operações corporativas. Na verdade, essa tendência é ainda mais evidente na América Latina do que em outras regiões do mundo, em grande parte porque o impacto da mudança climática já está se fazendo sentir – do derretimento das geleiras andinas a eventos climáticos extremos. Quando questionados pela LAPOP’s Americas Barometer sobre a gravidade do problema da mudança climática em seu país, 75% da população da América do Sul e 82% dos mexicanos e da população da América Central a caracterizaram como “muito grave” – em comparação com apenas 40% nos Estados Unidos e Canadá.

Esta é também uma mudança geracional – o último Relatório Global de Compradores Sustentáveis realizado pela Nielsen, mostrou que 85% dos latino-americanos que nasceram na década de 1980 e início de 1990 estão preocupados com a sustentabilidade dos processos de produção das empresas, contra 72% da geração de seus pais. E se a ascensão do ativismo climático que vimos na geração Z até agora for algo a ser visto como exemplo, essa tendência só vai continuar.

OS EVENTOS DE 2020 ACELERARAM A TENDÊNCIA

Existe, é claro, outro fator que leva ao aumento da consciência do consumidor em relação à sustentabilidade. A pandemia COVID-19 demonstrou inequivocamente a relação entre os seres humanos e o mundo natural, bem como o grau em que todos na Terra estão interligados. Como resultado, para os consumidores, a agenda da sustentabilidade ganha nova importância.

Uma pesquisa recente realizada pela empresa de consultoria BCG constatou que nove décimos dos consumidores entrevistados disseram estar tão ou mais preocupados com as questões ambientais após o surto do vírus e quase 95% disseram acreditar que suas ações pessoais poderiam ajudar a reduzir o lixo insustentável, combater as mudanças climáticas e proteger a vida selvagem e a biodiversidade. Quase um terço disse que essa crença havia se fortalecido como resultado da crise.

Entretanto, como as empresas continuam a lutar com os impactos persistentes das restrições de movimento, interrupções na cadeia de suprimentos e queda na demanda causada pela pandemia, priorizar a sustentabilidade e o desempenho ambiental é, para muitos, a última prioridade da lista.

Acreditamos que isso seria um erro. A pressão do consumidor não está desaparecendo – só está aumentando. As empresas que deixarem de lado seus esforços agora, provavelmente estarão acumulando riscos para o futuro, enquanto aquelas que optarem por se engajar novamente em iniciativas de sustentabilidade, ganharão uma vantagem competitiva distinta.

ENERGIA RENOVÁVEL – UMA ESTRATÉGIA SÓLIDA

Uma forma pragmática de alcançar o tipo de sustentabilidade que os consumidores esperam cada vez mais é observar o que pode gerar o maior impacto nas emissões de carbono. Para a grande maioria das empresas, o consumo de energia é o maior responsável e é por isso que, em toda a região, um número crescente de empresas está mudando para energias renováveis e a sociedade civil está se preparando para apoiá-las.

De fato, as empresas na América Latina têm uma vantagem comparativa em relação a muitas de suas congêneres em todo o mundo. Amplos recursos renováveis, juntamente com uma estrutura regulatória favorável em muitos países, abriram caminho para que mais e mais usuários corporativos de energia se tornem verdes.

Esse interesse crescente gerou um aumento no número de contratos corporativos de compra de energia (PPAs) para energia renovável, onde 2019 testemunhou um aumento de três vezes nos contratos assinados. Um contrato feito sob medida entre um comprador corporativo e um produtor de energia, os PPAs renováveis, permitem que as empresas comprem ou gerem energia renovável suficiente para cobrir 100% ou mais de seu uso de eletricidade ao longo do ano, permitindo-lhes garantir que a base de suas operações seja sustentável.

Nossa equipe, por exemplo, foi a primeira a implementar um PPA solar privado no Chile há cerca de oito anos e, desde então, repetimos esse sucesso no Brasil e no México. Em 2020, a Atlas Renewable Energy assinou mais de 660 MW em PPAs corporativos na América Latina, o que nos tornou o principal desenvolvedor da região por volume contratado, de acordo com a Bloomberg. À medida que as empresas se ajustam às novas demandas dos consumidores, vemos um número crescente de consultas de líderes empresariais perguntando como eles podem aproveitar a energia renovável para cumprir seus objetivos ASG (Ambientais, Sociais e de Governança). Os números são claros: de acordo com um estudo recente da Universidade de Stanford, que analisou o impacto nas emissões de carbono das empresas ao mudar para energias renováveis, uma estratégia 100% solar reduziria as emissões anuais de carbono em até 119% da pegada de carbono de uma empresa – levando a um grande salto a frente em seu desempenho ambiental.

O novo consumidor verde de hoje não quer apenas saber a origem do que compra, ou como é embalado. Eles querem ver compromissos reais das empresas de que estão fazendo tudo o que podem para minimizar o impacto no meio ambiente. A sustentabilidade não é mais um complemento, e acreditamos que uma estratégia de energia sólida com energias renováveis ​​em seu núcleo, deve ser um pilar fundamental dos esforços das empresas para responder às demandas dos consumidores.