O setor de energia renovável da América Latina está caminhando para os 239 gigawatts de capacidade instalada de energia eólica e solar até 2040, sustentando o grande potencial de investimento no setor. Neste artigo, analisamos as principais oportunidades para o mercado privado de energia renovável na região, assim como abordamos algumas das incertezas.

Em todo o mundo, o apoio às antigas indústrias poluidoras diminuiu, enquanto a energia limpa e verde aumentou em popularidade. Os combustíveis fósseis estão em constante declínio, com o setor de energia tradicional consistentemente com baixo desempenho no S&P 500, e pesquisas recentes mostram que 77% dos investimentos em nova geração de energia até 2050 serão em energias renováveis.

A América Latina, lar de alguns dos recursos eólicos e solares mais abundantes do mundo, deverá desempenhar um papel vital nesta transição energética, e vemos uma série de tendências que apontam que agora é o momento certo para investir no setor.

Fatores econômicos 

Ao contrário das economias mais consolidadas dos EUA e da Europa, onde o mercado consumidor de eletricidade convencional está estagnado ou em contração, a classe média da América Latina tem se expandido na última década, tanto em termos absolutos quanto em proporção do total de residências, alimentando as necessidades domésticas de energia. A demanda de eletricidade na região está aumentando de forma consistente ano a ano: a mobilidade social permite que a população compre aparelhos e leve uma vida mais moderna com maior consumo de energia, enquanto em muitos países as indústrias de energia, que formam uma parte central da comunidade empresarial, continuam a expandir suas operações.

Acreditamos que esta demanda será melhor atendida pelas energias renováveis, primeiramente por causa do custo: ao contrário de outras regiões, a energia renovável é competitiva contra a nova geração térmica na América Latina, mesmo sem subsídios. Há pouca dúvida de que as reduções maciças de custos na última década são uma das principais razões para as energias renováveis transformarem rapidamente o mix de eletricidade da região.

Mas não é apenas a demanda futura de energia que vemos ser atendida pelas energias renováveis. Em muitos mercados, a competitividade dos custos da energia renovável pode prejudicar os ativos térmicos existentes. Isto abre a oportunidade de substituição de capacidade por energias renováveis – algo que já estamos vendo no Chile, que implementou um roteiro de descarbonização, a ser completado até 2040. É provável que outros países sigam o exemplo – é apenas uma questão de tempo.

A composição das economias da América Latina também é um fator importante. Como grandes exportadores das commodities que impulsionam o crescimento do resto do mundo, as fortunas da região são impulsionadas em grande parte pelas empresas internacionais de petróleo e mineração e seus clientes – todas as quais estão vendo aumentar a pressão para reduzir sua pegada de carbono e demonstrar progresso em sustentabilidade. Como resultado, a aquisição de energia renovável tornou-se uma parte cada vez mais importante de sua estratégia corporativa.

Além disso, não se trata apenas dos exportadores de commodities. Estamos vendo empresas multinacionais com forte presença na América Latina, desde o setor tecnológico com seus centros de dados até marcas de bens de consumo, passando por conglomerados químicos, empresas de manufatura, empresas automobilísticas e até grandes varejistas, mudarem sua abordagem do consumo de energia diante da pressão dos acionistas e consumidores para se tornarem verdes.

Projetos que avançam

Como qualquer perspectiva, no entanto, existem algumas incertezas.

O papel do governo continua sendo fundamental para a implantação das energias renováveis, e certos desenvolvimentos, como os adiamentos dos leilões de eletricidade no Brasil e no Chile, ou os recentes bloqueios regulatórios no México que limitam a operação de novas usinas de energias renováveis, têm demonstrado a importância de um forte conhecimento no terreno ao considerar a participação no mercado.

Enquanto isso, a pandemia de Covid-19 tem prejudicado seriamente o crescimento econômico global, e a América Latina não é exceção. O momento e o ritmo da recuperação continuam imprevisíveis, no entanto, acreditamos que a pandemia tem o potencial de mudar a prioridade das políticas governamentais, e a energia renovável desempenhará um papel fundamental na recuperação da América Latina em relação à crise.

Apesar destes desafios globais, os projetos de energia renovável ainda estão em andamento. Em um nível global, se olharmos para a carteira de projetos até 2025, quase um terço dos projetos de energia eólica e solar fotovoltaica já estão contratados e/ou financiados, de acordo com a última atualização do mercado de energia renovável da Agência Internacional de Energia [1].

Há outra tendência que estamos começando a ver na região, que acrescenta força à nossa convicção de uma recuperação econômica liderada por energias renováveis. A medida que a pandemia acelera o foco na sustentabilidade por parte dos formuladores de políticas e investidores, temos visto um aumento na aceitação de relatórios do setor privado sobre a exposição a riscos financeiros baseados no clima. Um exemplo é no Chile, onde investidores institucionais e a Bolsa de Valores de Santiago começaram a implementar os princípios estabelecidos pela Força Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD), uma iniciativa iniciada em 2015 pelo Conselho de Estabilidade Financeira. Pensamos que isto levará a um número ainda maior de fundos investindo em projetos verdes, como energia eólica e solar, impulsionando ainda mais o crescimento do setor.

Um voo para a segurança

Com projeções de uma recessão global profunda e duradoura como resultado de medidas de bloqueio relacionadas à pandemia, o investimento em energia limpa é cada vez mais visto não apenas como uma forma de reduzir a poluição, mas como um meio de se proteger contra riscos futuros e ativos irrecuperáveis.

Para os investidores, a energia renovável é muito semelhante ao investimento imobiliário: o maior custo é o equipamento inicial, mas uma vez concluído o projeto, ele representa um ativo estável com poucas partes móveis, baixos custos operacionais e fluxos de receita de muito longo prazo que podem ser emparelhados com vencimentos de obrigações de aposentadorias e seguros.

Se o projeto for desenvolvido com um contrato de compra de energia (PPA), a natureza estável dos benefícios é ainda mais evidente. Estas estruturas asseguram receitas de eletricidade para uma parte significativa da vida útil do projeto, e podem ser comparadas à propriedade de um edifício com um contrato de arrendamento de 15 anos já assinado, garantindo renda para os próximos anos. Enquanto isso, espera-se que a demanda de energia renovável continue a crescer, especialmente na América Latina, onde o consumo de eletricidade deverá aumentar mais de 70% até 2030, de acordo com o Conselho Mundial de Energia Eólica [3].  

É pouco provável que esta capacidade seja suprida por combustíveis fósseis, especialmente porque as crescentes preocupações com as emissões de carbono e a mudança climática colocam em dúvida as aprovações dos projetos. Como resultado, esperamos ver uma fuga para a qualidade por parte dos investidores que buscam fluxos de receita de baixo risco e de longo prazo, com o aumento das alocações destinadas à infraestrutura de energia renovável.

Um mercado em maturação

As vantagens da América Latina quando se trata de atrair investimentos para as energias renováveis não passaram despercebidas. Nos últimos anos, temos visto a confiança, tanto de desenvolvedores internacionais como de financiadores internacionais, se traduzirem em projetos em todo o continente.

Estes atores foram os primeiros a se movimentarem, e desde então têm sido seguidos por grandes empresas de serviços públicos, que começaram a mudar seu foco de investimento para energias renováveis, depois que a energia convencional começou a perder participação no mercado.

Agora, à medida que as empresas começam a adotar PPAs em massa, o mercado se tornou cada vez mais dinâmico, particularmente no Brasil, Chile e México. Ainda há muito espaço para crescimento em outros mercados, como a Colômbia, e mesmo nos mercados mais consolidados, estamos vendo mais oportunidades à medida que novas tecnologias estão sendo implantadas, desde soluções de armazenamento até módulos bifaciais em usinas fotovoltaicas.

Acreditamos que o mercado ainda está no início de sua curva de crescimento, apresentando múltiplas oportunidades de investimento e vários estudos comprovam isso. De acordo com a Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA), até 2050, a América Latina terá uma capacidade eólica instalada adicional de 131GW e 172GW de nova capacidade solar.

Na Atlas Renewable Energy, nossa equipe experiente está na vanguarda do desenvolvimento e operação de projetos de energia limpa na América Latina. Temos proporcionado aos investidores retornos sólidos e estáveis no Brasil, Uruguai, Chile e outros países, e conhecemos em primeira mão a força do mercado de energia renovável da região. Em toda a região, como já descrevemos aqui, há várias tendências que, em nossa opinião, fazem da energia renovável um investimento atraente. Acreditamos que, com os parceiros certos e projetos cuidadosamente escolhidos, investidores, financiadores e empresas podem colher os benefícios do setor de energia renovável da América Latina por muitos anos – e o momento de fazê-lo é agora.

COMPILAÇÃO DE FONTES

https://www.iea.org/reports/renewable-energy-market-update/challenges-and-opportunities-beyond-2021
https://www.gartner.com/smarterwithgartner/9-future-of-work-trends-post-covid-19/
https://gwec.net/gwec-and-olade-team-up-to-drive-the-energy-transition-in-latin-america/
https://www.irena.org/-/media/Files/IRENA/Agency/Publication/2020/Apr/IRENA_GRO_R06_LAC.pdf?la=en&hash=1493165ED11340CC1F2681321F8D24754F0292C6