Posts

Em toda a América Latina, as empresas perceberam a necessidade de incorporar a sustentabilidade ao que fazem. Mas, à medida que o relógio da mudança climática continua correndo, estamos vendo os líderes empresariais começarem a se perguntar como lidar com essa questão em uma escala maior e mais impactante, e acreditamos que vale a pena ter essa conversa.

O último World Economic Outlook, publicado em outubro pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), mostra que estamos em um momento crucial da história. No ritmo atual, as temperaturas globais irão aumentar “bem acima dos níveis seguros acordados no Acordo de Paris, aumentando o risco de danos catastróficos para o planeta”, o referido documento observa e acrescenta que a janela para atingir zero de emissões líquidas até 2050, está se fechando rapidamente. A hora de agir é agora.

As empresas fabricam e enviam quase tudo que compramos, usamos e jogamos fora e, portanto, desempenham um papel desproporcional nas emissões globais. Nos últimos anos, vimos empresas em nossa região começarem a olhar seriamente para a sustentabilidade e a adesão, tanto de funcionários como de consumidores, tem sido encorajadora.

No entanto, acreditamos que, a menos que as empresas façam uma mudança decisiva para lidar com os principais elementos de emissões de CO2 em seus negócios, a maioria dos seus esforços não fará diferença suficiente.

PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS PARA ALÉM DO ESCRITÓRIO

Nos últimos anos, observamos que ser ecológico se tornou parte integrante da vida cotidiana do escritório, à medida que empresas da região implementaram políticas que vão desde a instalação de lâmpadas de baixo consumo de energia em edifícios, até a promoção do uso de alternativas ao plástico descartável. A ideia do escritório sem papel se enraizou e os recipientes de recicláveis estão agora na maioria dos locais de trabalho profissionais. Enquanto isso, um número crescente de empresas está promovendo o uso de materiais de construção sustentáveis, como móveis reciclados e tapetes feitos de materiais reciclados, em seus escritórios. Também estamos vendo empresas começarem a exigir de seus fornecedores práticas de fabricação mais ecológicas, enquanto outras começaram a promover o descarte seguro dos produtos que fabricam.

Esses passos são obviamente positivos. As empresas que adotam práticas ecológicas criam imagens positivas de suas marcas entre os consumidores e elevam a moral dos seus funcionários, que passam a acreditar no que sua empresa está fazendo. Mas, será que isso faz uma diferença real?

EMPRESAS LATINO-AMERICANAS QUEREM FAZER MELHOR

A cada ano, a Avaliação de Sustentabilidade Corporativa Global da S&P avalia as práticas de sustentabilidade em 124 empresas que participam ativamente da América Latina. Pelo terceiro ano consecutivo, as empresas da região aumentaram sua participação no CSA, de 38% das empresas convidadas em 2018 para 46% em 2019, o que demonstra que um número crescente de empresas está disposto a abordar e melhorar seu desempenho em sustentabilidade. De fato,  a taxa de participação para a América Latina está acima da taxa de participação global, demonstrando que existe uma tendência real em curso para que as empresas tenham um desempenho melhor.

O progresso que elas estão fazendo, no entanto, é lento. A avaliação da S&P considera uma série de dimensões de sustentabilidade, mas na estratégia ambiental e climática, as empresas latino-americanas estão bem abaixo da média global, mostrando que, embora estejam ativamente buscando reduzir as emissões, ainda há muito mais que poderiam estar fazendo.

ENERGIA É IMPORTANTE

Do ponto de vista das emissões, a América Latina é diferente de muitas outras regiões globais, pois a maior parte de sua produção de gases de efeito estufa provém do uso da terra e da agricultura, e não da energia. No entanto, isso deve mudar rapidamente, uma vez que o crescimento econômico e a crescente classe média devem elevar a demanda de energia para pelo menos 80% acima dos níveis atuais até 2040, de acordo com o Banco Interamericano de Desenvolvimento, levando a emissões totais decorrentes da geração de energia a atingir aproximadamente 2 bilhões de toneladas métricas de dióxido de carbono equivalente (MTCO2e) por ano.

Para compensar isso, seria necessário trocar 76 bilhões de lâmpadas incandescentes por LEDs ou reciclar 680 milhões de toneladas de lixo. Levando isso em conta, as iniciativas de pequena escala que estão sendo realizadas em escritórios, na tentativa de se tornarem ecológicos, são apenas uma gota no oceano.

É claro que somente reduzindo as emissões de energia as empresas serão capazes de minimizar sua pegada de carbono, e isso é algo em que cada vez mais líderes empresariais estão começando a pensar seriamente.

FAZENDO A DIFERENÇA

Como muitas empresas já fizeram o máximo que puderam para reduzir seu uso geral de energia, a mudança para a energia renovável apresenta a melhor e mais abrangente maneira de reduzir as emissões sem comprometer o desempenho, além de adicionar reduções significativas de custo. Embora descobrir como aproveitar o poder da energia renovável para atingir as metas de redução de emissões possa parecer uma tarefa difícil, a boa notícia é que os líderes empresariais não precisam se tornar especialistas em abastecimento de energia para fazer isso.

Na Atlas Renewable Energy, estamos começando a ouvir um número crescente de empresas que estão comprometidas em fazer uma diferença real em sua pegada de carbono. Também não são apenas os suspeitos do costume nas indústrias mais poluentes: empresas de todos os setores em toda a América Latina, do varejo e manufatura à indústria pesada e além, sabem que precisam fazer mais em sustentabilidade. A região ainda tem um longo caminho a percorrer, mas acreditamos que a maré está mudando, à medida que mais líderes empresariais despertam para a necessidade de tomar medidas reais em prol da sustentabilidade corporativa. A sua empresa está pronta para dar o próximo passo?

Na Atlas Renewable Energy, assinamos recentemente um acordo de compra de energia renovável com a subsidiária brasileira da gigante americana de ciência dos materiais Dow. Este acordo histórico estabelece a estrutura para que as empresas químicas em toda a América Latina alcancem seus objetivos ambientais, ao mesmo tempo em que reduzem os custos de energia. Neste artigo, analisamos mais de perto o que torna este projeto tão inovador.

Como a maioria das empresas industriais, há muito tempo a Dow procura reduzir as implicações ambientais e de custos de suas atividades intensivas em energia. Sua posição de liderança como fornecedor de produtos químicos, plásticos, fibras sintéticas e produtos agrícolas, também significa que ela é um dos maiores consumidores de energia industrial do mundo.

No passado, a Dow utilizou energia de rede e combustíveis fósseis para alimentar suas usinas, mas como a energia renovável se tornou mais competitiva e disponível nos últimos anos, ela começou a repensar seu portfólio de energia, estabelecendo uma meta difícil, que consiste em suprir 750 MW de sua demanda de energia com energias renováveis até 2025, e alcançar neutralidade de carbono até 2050.

Para ajudar a atingir este ambicioso objetivo, a empresa fez uma parceria com a Atlas para fornecer energia limpa ao seu complexo Aratu no Brasil, a maior fábrica da Dow no país.

Este acordo pioneiro não só evita aproximadamente 35.000 toneladas métricas de emissões de CO2 por ano – o equivalente a tirar cerca de 36.800 carros das ruas de São Paulo – mas lança também as bases para que o resto da indústria química latino-americana aproveite os benefícios da energia renovável para alcançar as metas de mitigação da mudança climática, ao mesmo tempo em que mantém os preços estáveis da energia a longo prazo.

CRIANDO EFICIÊNCIAS

Sob o contrato de 15 anos de compra de energia, forneceremos à Dow a energia limpa de nosso projeto solar Jacaranda de 187MWp, localizado no município de Juazeiro, no estado da Bahia. A usina gerará 440GWh por ano, o que é suficiente para fornecer energia a uma cidade com mais de 750.000 habitantes, permitindo que a Dow se aproxime de suas metas de fornecimento de energia renovável.

Um dos principais problemas com a energia solar é a intermitência – o sol não brilha 24 horas por dia. Como a Dow precisa de energia o dia todo, a Atlas vai trocar energia de Jacarandá com outros fornecedores de energia renovável, para garantir um fornecimento de ciclo completo. Essencialmente, ao empacotar nossa energia solar com fontes renováveis adicionais que estão disponíveis no mercado, tornamos possível para a Dow suprir todas as suas necessidades de energia com energias renováveis e não apenas suas necessidades diurnas. É a primeira vez que isso é feito no Brasil e abre oportunidades para empresas que podem ter sido dissuadidas do uso de renováveis devido ao seu perfil de demanda de energia elétrica.

Como um grande usuário de energia, a eletricidade é responsável por uma proporção enorme dos custos fixos da Dow, e mesmo o menor aumento, pode ter um enorme impacto em seus resultados. Para lidar com isso, a Atlas incorporou uma série de medidas de aumento de eficiência. 

A primeira são os módulos bifaciais utilizados na planta, que podem proporcionar um ganho de geração de energia de até 9% sobre painéis faciais mono equivalentes, reduzindo o uso do solo para a mesma quantidade de eletricidade. Em segundo lugar, o projeto está sendo conectado à subestação digital da Atlas, o que melhora a controlabilidade e a confiabilidade, otimizando os custos. Mas a eficiência não pára por aí: também implementamos uma estrutura única de financiamento em dólares americanos, que criou uma cobertura natural de moeda.

FALANDO A MESMA LÍNGUA

Ao selecionar um parceiro para ajudá-la a atingir seus objetivos, a Dow estava procurando uma empresa com os mesmos valores. É por isso que, além de energia limpa e preços favoráveis como parte do Atlas Green Finance Framework – nosso compromisso de desenvolver projetos que protejam e preservem o meio ambiente – também incorporamos nossa assinatura de compromisso social. Na fábrica de Jacaranda, estamos oferecendo oportunidades à comunidade local que promovem a diversidade e a inclusão dentro do processo de contratação da obra. Para fazer isto – e fazer isto bem – trouxemos ONGs e autoridades locais para nos ajudar a fornecer treinamento em campos especializados às mulheres locais, e estamos incentivando nossos empreiteiros locais a priorizar pessoas de origem minoritária em seus processos de contratação.

UM PARCEIRO CONFIÁVEL E CAPAZ

Conseguir tudo isso durante a turbulência e a agitação que 2020 trouxe ao mundo, não foi uma proeza sem importância. Trabalhamos muito para garantir a saúde e a segurança dos trabalhadores em nossas instalações porque sabemos como a energia renovável é importante para a recuperação da economia da América Latina pós-Covid19. Como resultado, nossa capacidade operacional, nossa execução e nossa velocidade de fechamento têm permanecido ótimas.

Temos sido capazes de fazer tudo isso porque não somos novatos nisto. Já temos quatro projetos em operação no Brasil e vários outros em toda a região. Todos eles foram entregues dentro do prazo e do orçamento, o que reforçou nossa reputação entre financiadores e parceiros. Por causa disso, apesar do difícil cenário econômico e financeiro, estamos na posição privilegiada de poder negociar condições favoráveis de financiamento – o que se traduz em economia de custos que podemos repassar aos nossos clientes.

O INÍCIO DE UMA TENDÊNCIA

Na América Latina, a energia renovável já é tão acessível quanto – se não mais barata do que – as fontes tradicionais. Este Acordo de Compra de Energia Corporativa, que alavanca a inovação financeira, operacional e tecnológica, torna possível aos grandes consumidores de energia na indústria química, entre outras,  a dar um enorme passo para alcançar suas metas de redução de emissões de carbono, ao mesmo tempo em que ganham visibilidade real sobre seus custos de energia a longo prazo.

Estamos vendo um número crescente de consultas deste tipo de empresas, e continuamos a encontrar soluções competitivas para elas. A indústria de mineração já aceitou a proposta – desde a fábrica da Atlas em Casablanca, que fornecerá energia limpa para a gigante mineradora Anglo American no Brasil, até nossa fábrica Javiera no Chile, que já alimenta uma mina de cobre. Nosso acordo com a Dow mostra o quanto podemos alcançar quando dois líderes em seus respectivos campos se reúnem. Acreditamos que ele abre o caminho agora para a indústria química se juntar à revolução da energia verde por toda a região.

Nos últimos anos, assistimos ao início de uma transição de sustentabilidade de longo alcance entre as empresas da América Latina, que começou lentamente a se mover na direção da criação de economias mais justas, mais inclusivas para todos.

Como região, a América Latina sofre um impacto descomunal da mudança climática, com fenômenos climáticos extremos, desde furacões no Caribe até El Niño na costa do Pacífico, bem como a elevação do nível do mar e a má qualidade do ar, o que torna as considerações ambientais ainda mais importantes.

Mas é também uma região onde podem ser feitos enormes progressos em outras métricas de sustentabilidade, tais como a melhoria da subsistência rural, contribuindo para o aumento da igualdade de gênero e aumentando a participação das populações indígenas e minoritárias na economia.

Nos últimos anos, temos visto um número crescente de empresas em toda a América Latina começar a se concentrar nestas questões. As melhores práticas ambientais, sociais e de governança internacional (ESG em inglês) estão sendo integradas às corporações da região, e isso está acontecendo em todos os setores. A IndexAmericas[1], criada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), destaca as 100 melhores empresas sustentáveis que operam na América Latina e no Caribe, medidas em relação a critérios ambientais, sociais e de governança corporativa, bem como sobre seu desempenho em áreas como igualdade e diversidade de gênero.

O índice tem sido composto em grande parte por multinacionais estrangeiras desde sua criação, mas nos últimos três anos, o número de empresas latino-americanas aumentou quase 30%, demonstrando o quanto a questão da sustentabilidade corporativa está ganhando força na região.

Outro exemplo desta tendência crescente pode ser encontrado no Dow Jones Sustainability MILA Pacific Alliance Index. Ele mede as melhores empresas da categoria no Chile, Colômbia, México e Peru que cumprem certas metas de sustentabilidade melhor do que a maioria de seus pares dentro de suas respectivas indústrias. Quando foi criado em 2017, apenas 42[2] empresas cumpriram essas metas . Hoje, esse número cresceu para 116[3].

A sustentabilidade também está se tornando um foco importante para os investidores da região  que,   de acordo com um estudo recente da Natixis[4],  mostram maior demanda pela ESG do que qualquer outra região do mundo, pois acreditam que ela pode ajudá-los a aumentar os retornos ajustados ao risco, bem como ajudá-los a alinhar seus ativos aos valores organizacionais.

Quando falamos com nossos parceiros na região, o que ouvimos é que a incorporação da ESG nos modelos de negócios não é uma moda. Tanto as empresas quanto os investidores estão buscando alcançar o resultado final de triplo sucesso social, ambiental e financeiro, e a tendência está ganhando força.

SER ECOLÓGICO POR SI SÓ NÃO É SUFICIENTE

A mudança para a energia renovável, especialmente em uma região tão abundante em energia solar e eólica como a América Latina, é uma possibilidade para as empresas que procuram reduzir sua pegada ambiental. Graças em grande parte aos esforços liderados pelo governo para aumentar o uso de energias renováveis, a região está fazendo progressos sólidos em direção a seus compromissos assumidos  no âmbito do Acordo de Paris.

Mas simplesmente “tornar-se ecológico” não equivale à sustentabilidade. A sustentabilidade é determinada por três parâmetros diferentes: ambiental, social e financeiro e, se uma corporação só muda para energia renovável, sem abordar as implicações mais amplas, ela está perdendo uma oportunidade.

Hoje, as  corporações latino-americanas  querem ter a garantia de uma solução de longo prazo que,  não apenas garanta a disponibilidade de eletricidade limpa sem prejudicar o acesso de terceiros  aos recursos, mas também que atue  como uma força para o bem na sociedade. Como resultado, um número crescente de empresas em toda a região não só está começando a explorar as possibilidades de acordos de compra de energia renovável, mas também está começando a questionar de onde vem o financiamento desses projetos, como a força de trabalho desses projetos está estruturada,  e como o desenvolvedor opera dentro das comunidades locais.

A ABORDAGEM DA ATLAS

Em nossa experiência, descobrimos que não há ganhos verdadeiramente rápidos em sustentabilidade. É por isso que a Atlas tem dedicado, desde o início, grandes quantidades de recursos à ESG, porque acreditamos que a verdadeira sustentabilidade vem de investimentos estratégicos a longo prazo.

Um grande foco para nós é a sustentabilidade social. Quando trabalhamos com as comunidades locais, nos concentramos em promover o aumento do bem-estar local. Em nossa opinião, construir relacionamentos com a comunidade local não significa apenas distribuir bolas de futebol ou uniformes escolares, significa também estar ciente do fato de que o ativo fará parte da comunidade por 30 anos e que, se administrado corretamente, pode representar uma oportunidade para a criação de empregos e geração de renda. Assumimos todas as implicações em torno da geração de energia, e nos confortamos em saber que nossa presença impulsiona a economia local onde quer que estejamos.

Como exemplo, em junho de 2020, a Atlas Renewable Energy e a Dow assinaram um contrato de energia solar em larga escala no Brasil. A quantidade de energia gerada cobrirá o equivalente às necessidades energéticas de uma cidade com mais de 750.000 habitantes, e resultará na prevenção de cerca de 35.000 toneladas métricas de emissões de CO2 por ano. Além disso, o projeto inclui um compromisso com a inclusão de gênero e geração de empregos rurais, com treinamento para a força de trabalho feminina local para que ela possa ter acesso às oportunidades de emprego mais bem remuneradas apresentadas pelo projeto. Durante a construção deste projeto, esperamos contratar de três a quatro vezes mais mulheres do que normalmente são empregadas nestes empreendimentos, com 70% do total da força de trabalho prevista para ser da área local.

Enquanto isso, em nossa planta solar Guajiro no México, fizemos parceria com a The Pale Blue Dot, uma organização mexicana que promove programas educacionais através do uso da tecnologia em escolas e centros comunitários, para fornecer a mais de 400 estudantes da comunidade local acesso à Internet e salas de aula digitais.

A sustentabilidade financeira também é um fator chave que contribui para a forma como fazemos negócios. Trabalhamos com parceiros de investimento de impacto, como o Fundo de Tecnologias Limpas do Grupo Banco Mundial e o IDB Invest do Banco Interamericano de Desenvolvimento  e procuramos, sempre que possível, obter taxas de juros favoráveis, incluindo nosso financiamento ao nosso desempenho ambiental e social.

Ser sustentável também representa mitigação de riscos, durante todo o projeto, desde garantir a transparência da cadeia de fornecimento de componentes até a concretização de projetos financiáveis que ganharam o apoio das comunidades nas quais operamos. Isto garante que possamos ajudar nossos parceiros corporativos a alcançar seus objetivos de sustentabilidade, proporcionando-lhes os benefícios ambientais, sociais e financeiros necessários para cumprir suas obrigações.


[1]https://indexamericas.iadb.org/en/Aboutus
[2]http://worldofficeforum.com/wp-content/uploads/2017/11/dow-jones-sustainability-index-mila-constituents.pdf
[3]https://www.spglobal.com/spdji/en/idsenhancedfactsheet/file.pdf?calcFrequency=M&force_download=true&hostIdentifier=48190c8c-42c4-46af-8d1a-0cd5db894797&indexId=91920628
[4]https://www.im.natixis.com/latam/research/latin-america-has-the-greatest-global-demand-for-esg-investments

Criar um desenvolvimento bem-sucedido de energia solar não se trata simplesmente de produzir energia a partir do sol. É um equilíbrio cuidadoso para garantir o custo mais optimizado de energia (LCOE) ao longo da vida do projeto, a melhor proposta de valor e as condições ideais de financiamento. E para obter esse equilíbrio correto, é necessário que os produtores de energia solar estejam na vanguarda da inovação, em todos os aspectos.

 Como a indústria continua a pressionar novos limites a cada ano, há quatro maneiras de abordar a inovação no espaço da energia solar. A inovação contínua em cada área é a única maneira dos fornecedores de energia solar garantirem o fornecimento do que, tanto os investidores como as empresas, precisam.

 INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

 O primeiro, e provavelmente o mais óbvio aspecto da inovação em energia solar, é a tecnologia. Um dos desenvolvimentos mais interessantes dos últimos anos, tem sido a rápida adoção pelo mercado de módulos solares bifaciais, que produzem energia solar eficiente de ambos os lados. Mas, ao escolher qual módulo é a melhor opção, não acreditamos que seja suficiente que os fornecedores de energia solar simplesmente adicionem a tecnologia mais recente e esperem o melhor. Não há dúvida de que os módulos bifaciais podem aumentar a produção de energia, mas prever com precisão o aumento da produção para um projeto de sistema que cubra os custos adicionais, significa internalizar a pesquisa e o desenvolvimento, em vez de simplesmente confiar nas estimativas do fornecedor ou de terceiros.

Na Atlas, sabemos por longa experiência que o comportamento no mundo real frequentemente introduz uma série de novas variáveis a serem levadas em conta. Portanto, antes de introduzir módulos bifaciais, montamos nosso próprio laboratório em uma fábrica em escala de utilização e testamos diferentes tecnologias durante um ano. Isto nos deu confiança em nossos módulos e na quantidade real de energia que eles podem produzir em um determinado cenário. O mesmo vale para os rastreadores e inversores. Testando a tecnologia, podemos calcular melhor como conseguir melhorias de eficiência em múltiplas variáveis – o que não conseguiríamos fazer se dependêssemos apenas dos valores de base disponíveis no mercado, especialmente para novas tecnologias que ainda não são comuns.

 TRANSFORMAÇÃO DIGITAL

O mundo do big data está sobre nós. No ambito da energia solar, temos visto enormes avanços sobre como a tecnologia digital pode impulsionar melhorias, desde a utilização de drones para inspeções de ativos, até aprendizagem de máquinas para monitoramento de plantas operacionais e mapeamento usando dados de satélite.

Como vimos em outras indústrias, ser capaz de aproveitar todo o potencial que a digitalização pode oferecer, cria uma enorme vantagem competitiva e a Atlas fez da inovação nesta área uma prioridade chave.

Um exemplo disso pode ser encontrado em nossa Planta Solar de Juazeiro, no Brasil. Grandes projetos de energia renovável normalmente envolvem a adição de uma subestação, o que requer tanto áreas amplas, quanto tempo de construção. Ao instalar a primeira subestação digital da região, quebramos fronteiras tecnológicas, além de aumentar a produtividade, a segurança e a confiabilidade. Comparada a uma subestação convencional, nossa subestação digital requer substancialmente menos espaço, reduz a quantidade de fios de cobre necessários e facilita a operação mais eficiente das redes de serviços públicos, incluindo monitoramento, diagnóstico e controle.

 INOVAÇÃO OPERACIONAL

 O custo da energia solar tem diminuído consistentemente com o tempo, já que uma tecnologia mais nova e melhor torna a produção de energia menos cara. No entanto, obter o melhor dessa tecnologia para melhorar a confiabilidade – que no final das contas é o que todos procuram – significa que os produtores solares devem procurar melhorar constantemente sua proposta de valor.

Somente ser capaz de oferecer eletricidade enquanto o sol brilha, não atenderá a todas as necessidades dos clientes, portanto, um parceiro forte reunirá uma gama de soluções, desde baterias ou outra tecnologia de armazenamento, até redes inteligentes que permitam economia de energia, ou mesmo que permitam que os clientes se desconectem da rede como e quando for necessário.

Ao utilizar ferramentas operacionais, desde sensores até inteligência artificial, a Atlas busca continuamente melhorias marginais, mitigando riscos para seus clientes e repassando economias e melhorias na disponibilidade.

Nosso objetivo final é levar energia solar a nossos clientes da melhor e mais eficiente maneira possível, o que significa focar todos os dias em melhores maneiras de fazer as coisas, desde nossos sistemas operacionais até nossos métodos de construção de plantas.

 INOVAÇÃO FINANCEIRA E CONTRATUAL

A inovação física na produção e fornecimento de energia solar é uma coisa, mas acreditamos que um parceiro verdadeiramente inovador precisa ir ainda mais longe.

A estratégia de financiamento de um produtor de energia solar é um fator importante para moldar a forma como ele pode conduzir seus negócios e que restrições ele tem em termos do que ele pode fornecer. A maioria dos projetos solares utiliza o financiamento tradicional de projetos, o que sobrecarrega o ativo em favor dos financiadores em uma ligação de um para um. Embora isto funcione perfeitamente na maioria dos casos, significa também que há pouca flexibilidade, o que significa que não é viável combinar diferentes usinas e diferentes off-takers com diferentes contratos de compra de energia (PPAs), ou ter a opção de adicionar parcelas de dívida e projetos adicionais.

Os produtores solares que conseguem pensar fora da caixa em relação ao financiamento, podem reduzir ainda mais os custos, mitigar riscos e repassar estes ganhos de eficiência a seus clientes.

 Na Atlas, buscamos continuamente maneiras de estruturar nossos contratos de PPA de forma mais flexível e, ao mesmo tempo, cumprimos com nossos parâmetros de risco. Trabalhando em melhores e mais sofisticadas práticas de mitigação de riscos, podemos nos aproximar ainda mais de nossos clientes, criando contratos que melhor se adaptem às suas necessidades, ao mesmo tempo em que garantimos um PPA sólido e financiável.

POR QUE TER UM PARCEIRO INOVADOR É IMPORTANTE?

A inovação se tornou uma necessidade competitiva para empresas em todo o mundo. Pesquisas recentes realizadas pela PwC mostraram que, nos últimos três anos, as empresas que inovam cresceram 16% mais rápido do que as que não o fazem, e essa lacuna tende a aumentar.

No âmbito da energia solar, com duração contratual de até 25 anos, a escolha de um parceiro sólido, rentável e em crescimento, é fundamental para um projeto de sucesso. As empresas mais confiáveis neste setor são as que estão em constante evolução, pois são as únicas que podem transmitir a confiança de que alcançarão os objetivos estabelecidos em um PPA solar.

COMPILAÇÃO DE FONTES

https://www.energyglobal.com/solar/22082019/atlas-renewable-energy-announces-new-solar-plant-in-brazil/
https://www.pwc.es/es/publicaciones/gestion-empresarial/assets/breakthrough-innovation-growth.pdf

Não há dúvida de que o primeiro semestre de 2020 não correu exatamente como planejado. No entanto, enquanto a atual situação econômica global tem estressado as indústrias a níveis inimagináveis, o cenário atual de preços baixos da energia proporciona aos grandes usuários corporativos de energia uma oportunidade sem precedentes para garantir custos reduzidos, reforçar seu modelo de negócios e se proteger contra incertezas futuras. Eis o porquê.

Ganhar controle sobre os custos

O impacto financeiro da crise da Covid-19 nas empresas da América Latina tem sido generalizado. No total, as ações da América Latina caíram 35%[1] nos primeiros seis meses deste ano, em comparação com uma perda de 10,4%[2] nos mercados emergentes como um todo.

Com tanta incerteza ainda pela frente, o planejamento do cenário a longo prazo é praticamente impossível. Mas ganhar controle sobre os custos de energia pode ser um meio de liberar capital de giro, fortalecer o balanço e ganhar visibilidade a longo prazo.

Esta é a primeira vez na história recente que o ambiente de preços da energia é tão favorável, e ninguém pode prever quanto tempo isto durará. E na maioria dos mercados da América Latina, a energia renovável é competitiva com as fontes convencionais, ou em muitos casos, até menos cara. Os grandes usuários de energia hoje têm uma oportunidade sem precedentes de negociar o melhor acordo de longo prazo, e não podem se dar ao luxo de perder esta oportunidade.

Por que energias renováveis?

Recentemente, temos visto a velocidade e a escala do que pode ser alcançado pelos movimentos de justiça social em todo o mundo, à medida em que os consumidores votam com suas carteiras para recompensar os atores responsáveis. O ativismo ambiental não é diferente. Empresas que reconhecem isto e transformam seus modelos de negócios longe das fontes de energia poluidoras estão garantindo um futuro de sucesso, respondendo a seus consumidores e readaptando sua estratégia, fornecimento e logística para o mundo de amanhã.

Já estamos vendo uma tendência crescente dos mercados financeiros para avançar em direção a empresas com políticas climáticas sólidas em vigor, tornando o capital mais escasso e mais caro para aquelas que não o fazem. Em janeiro deste ano, a BlackRock, a maior gestora de dinheiro do mundo, disse que sairá dos investimentos com altos riscos ambientais e acreditamos que isto é apenas o começo.

Com a Fitch e a S&P Global Ratings relatando que as condições de crédito na América Latina estão piorando em meio ao surto de Covid-19, as indústrias intensivas em energia em toda a região estão procurando atender suas necessidades de energia para resistir à tempestade nos mercados financeiros. Uma maneira de fazer isso é trazer as decisões de compra de energia internamente, a fim de controlar os atributos dos produto e serviços que elas estão comprando.

De fato, ter uma estratégia energética sólida tornou-se tão importante para muitas empresas quanto ter uma estratégia financeira sólida. Consumidores e acionistas querem agora ver a prova das credenciais verdes de uma empresa, seja mostrando que suas fontes de energia renovável substituíram uma fonte tradicional, ou que sua energia vem de um produtor com uma sólida relação comunitária e uma estratégia de programa social. Todos estes fatores podem ser controlados de forma significativa se a compra for feita internamente.

Parceria para o bem

A boa notícia é que os grandes usuários de energia não precisam construir suas próprias usinas de geração de energia renovável para ter acesso a todos esses benefícios. Através da estrutura do acordo de compra de energia (PPA), os consumidores corporativos de energia em toda a região podem tirar proveito de melhores decisões estratégicas de fornecimento de energia com a assistência de um parceiro conhecedor. Esta é a oportunidade perfeita para reduzir os riscos, seja a reação dos clientes e mercados financeiros relacionados à aquisição de energia, ou o risco de execução dos projetos que são necessários para fornecê-los energia.

Os projetos de energia renovável são rápidos e relativamente simples de executar e têm modularidade que lhes permitem adaptar-se facilmente ao tamanho do comprador corporativo de energia. Além disso, eles podem ser alavancados pelo comprador corporativo para demonstrar seus compromissos de sustentabilidade, fornecendo um sinal visível aos clientes e investidores de que eles estão do lado certo da equação climática.

Indústrias intensivas em energia: a espinha dorsal da economia latino-americana

Na América Latina, rica em recursos, as indústrias extrativistas e químicas intensivas em energia constituem uma grande parte da economia e da cesta de exportação. 

Mas não são apenas as grandes mineradoras e produtores químicos que podem tirar proveito da situação atual. A região abriga uma grande variedade de grandes usuários de energia, do agronegócio à indústria farmacêutica e de saúde, processamento de mineração, dessalinização de água, o setor tecnológico e até mesmo os varejistas. Empresas internacionais que operam no Chile, Peru, Brasil e México têm sido pioneiras neste sentido – da Anglo American à empresa multinacional Dow.

Uma janela de oportunidade se abriu para a transição do fornecimento convencional de energia para as fontes renováveis. É difícil saber quanto tempo durará esta retração, quando será a recuperação e, mais importante ainda, quais outros eventos negativos podem empurrar os custos de energia na direção oposta.

Se estes últimos meses nos ensinaram alguma coisa, foi que a consideração de eventos extremos precisa fazer parte dos modelos de risco futuros. Acreditamos que os acordos bilaterais para compra de energia renovável são uma ferramenta vital na construção de negócios resistentes e intensivos em energia para o novo normal pós-pandemia. Eles não apenas oferecem acordos de preços a longo prazo a taxas atraentes, mas permitem que as empresas se alinhem com as expectativas dos clientes.

COMPILAÇÃO DE FONTES

Atualização do mercado de energia renovável
Perspectivas para 2020 e 2021:

https://www.iea.org/reports/renewable-energy-market-update/challenges-and-opportunities-beyond-2021
https://www.gartner.com/smarterwithgartner/9-future-of-work-trends-post-covid-19/
https://gwec.net/gwec-and-olade-team-up-to-drive-the-energy-transition-in-latin-america/

[1]  Fonte: Reuters MSCI https://www.reuters.com/article/emerging-markets-latam/emerging-markets-latam-fx-stocks-fall-on-spike-in-virus-cases-dour-growth-forecast-idUSL1N2E11WA
[2] Fonte: Hargreaves Lansdown https://www.hl.co.uk/news/articles/how-are-stock-markets-in-latin-america-coping-with-coronavirus-turbulence

O setor de energia renovável da América Latina está caminhando para os 239 gigawatts de capacidade instalada de energia eólica e solar até 2040, sustentando o grande potencial de investimento no setor. Neste artigo, analisamos as principais oportunidades para o mercado privado de energia renovável na região, assim como abordamos algumas das incertezas.

Em todo o mundo, o apoio às antigas indústrias poluidoras diminuiu, enquanto a energia limpa e verde aumentou em popularidade. Os combustíveis fósseis estão em constante declínio, com o setor de energia tradicional consistentemente com baixo desempenho no S&P 500, e pesquisas recentes mostram que 77% dos investimentos em nova geração de energia até 2050 serão em energias renováveis.

A América Latina, lar de alguns dos recursos eólicos e solares mais abundantes do mundo, deverá desempenhar um papel vital nesta transição energética, e vemos uma série de tendências que apontam que agora é o momento certo para investir no setor.

Fatores econômicos 

Ao contrário das economias mais consolidadas dos EUA e da Europa, onde o mercado consumidor de eletricidade convencional está estagnado ou em contração, a classe média da América Latina tem se expandido na última década, tanto em termos absolutos quanto em proporção do total de residências, alimentando as necessidades domésticas de energia. A demanda de eletricidade na região está aumentando de forma consistente ano a ano: a mobilidade social permite que a população compre aparelhos e leve uma vida mais moderna com maior consumo de energia, enquanto em muitos países as indústrias de energia, que formam uma parte central da comunidade empresarial, continuam a expandir suas operações.

Acreditamos que esta demanda será melhor atendida pelas energias renováveis, primeiramente por causa do custo: ao contrário de outras regiões, a energia renovável é competitiva contra a nova geração térmica na América Latina, mesmo sem subsídios. Há pouca dúvida de que as reduções maciças de custos na última década são uma das principais razões para as energias renováveis transformarem rapidamente o mix de eletricidade da região.

Mas não é apenas a demanda futura de energia que vemos ser atendida pelas energias renováveis. Em muitos mercados, a competitividade dos custos da energia renovável pode prejudicar os ativos térmicos existentes. Isto abre a oportunidade de substituição de capacidade por energias renováveis – algo que já estamos vendo no Chile, que implementou um roteiro de descarbonização, a ser completado até 2040. É provável que outros países sigam o exemplo – é apenas uma questão de tempo.

A composição das economias da América Latina também é um fator importante. Como grandes exportadores das commodities que impulsionam o crescimento do resto do mundo, as fortunas da região são impulsionadas em grande parte pelas empresas internacionais de petróleo e mineração e seus clientes – todas as quais estão vendo aumentar a pressão para reduzir sua pegada de carbono e demonstrar progresso em sustentabilidade. Como resultado, a aquisição de energia renovável tornou-se uma parte cada vez mais importante de sua estratégia corporativa.

Além disso, não se trata apenas dos exportadores de commodities. Estamos vendo empresas multinacionais com forte presença na América Latina, desde o setor tecnológico com seus centros de dados até marcas de bens de consumo, passando por conglomerados químicos, empresas de manufatura, empresas automobilísticas e até grandes varejistas, mudarem sua abordagem do consumo de energia diante da pressão dos acionistas e consumidores para se tornarem verdes.

Projetos que avançam

Como qualquer perspectiva, no entanto, existem algumas incertezas.

O papel do governo continua sendo fundamental para a implantação das energias renováveis, e certos desenvolvimentos, como os adiamentos dos leilões de eletricidade no Brasil e no Chile, ou os recentes bloqueios regulatórios no México que limitam a operação de novas usinas de energias renováveis, têm demonstrado a importância de um forte conhecimento no terreno ao considerar a participação no mercado.

Enquanto isso, a pandemia de Covid-19 tem prejudicado seriamente o crescimento econômico global, e a América Latina não é exceção. O momento e o ritmo da recuperação continuam imprevisíveis, no entanto, acreditamos que a pandemia tem o potencial de mudar a prioridade das políticas governamentais, e a energia renovável desempenhará um papel fundamental na recuperação da América Latina em relação à crise.

Apesar destes desafios globais, os projetos de energia renovável ainda estão em andamento. Em um nível global, se olharmos para a carteira de projetos até 2025, quase um terço dos projetos de energia eólica e solar fotovoltaica já estão contratados e/ou financiados, de acordo com a última atualização do mercado de energia renovável da Agência Internacional de Energia [1].

Há outra tendência que estamos começando a ver na região, que acrescenta força à nossa convicção de uma recuperação econômica liderada por energias renováveis. A medida que a pandemia acelera o foco na sustentabilidade por parte dos formuladores de políticas e investidores, temos visto um aumento na aceitação de relatórios do setor privado sobre a exposição a riscos financeiros baseados no clima. Um exemplo é no Chile, onde investidores institucionais e a Bolsa de Valores de Santiago começaram a implementar os princípios estabelecidos pela Força Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD), uma iniciativa iniciada em 2015 pelo Conselho de Estabilidade Financeira. Pensamos que isto levará a um número ainda maior de fundos investindo em projetos verdes, como energia eólica e solar, impulsionando ainda mais o crescimento do setor.

Um voo para a segurança

Com projeções de uma recessão global profunda e duradoura como resultado de medidas de bloqueio relacionadas à pandemia, o investimento em energia limpa é cada vez mais visto não apenas como uma forma de reduzir a poluição, mas como um meio de se proteger contra riscos futuros e ativos irrecuperáveis.

Para os investidores, a energia renovável é muito semelhante ao investimento imobiliário: o maior custo é o equipamento inicial, mas uma vez concluído o projeto, ele representa um ativo estável com poucas partes móveis, baixos custos operacionais e fluxos de receita de muito longo prazo que podem ser emparelhados com vencimentos de obrigações de aposentadorias e seguros.

Se o projeto for desenvolvido com um contrato de compra de energia (PPA), a natureza estável dos benefícios é ainda mais evidente. Estas estruturas asseguram receitas de eletricidade para uma parte significativa da vida útil do projeto, e podem ser comparadas à propriedade de um edifício com um contrato de arrendamento de 15 anos já assinado, garantindo renda para os próximos anos. Enquanto isso, espera-se que a demanda de energia renovável continue a crescer, especialmente na América Latina, onde o consumo de eletricidade deverá aumentar mais de 70% até 2030, de acordo com o Conselho Mundial de Energia Eólica [3].  

É pouco provável que esta capacidade seja suprida por combustíveis fósseis, especialmente porque as crescentes preocupações com as emissões de carbono e a mudança climática colocam em dúvida as aprovações dos projetos. Como resultado, esperamos ver uma fuga para a qualidade por parte dos investidores que buscam fluxos de receita de baixo risco e de longo prazo, com o aumento das alocações destinadas à infraestrutura de energia renovável.

Um mercado em maturação

As vantagens da América Latina quando se trata de atrair investimentos para as energias renováveis não passaram despercebidas. Nos últimos anos, temos visto a confiança, tanto de desenvolvedores internacionais como de financiadores internacionais, se traduzirem em projetos em todo o continente.

Estes atores foram os primeiros a se movimentarem, e desde então têm sido seguidos por grandes empresas de serviços públicos, que começaram a mudar seu foco de investimento para energias renováveis, depois que a energia convencional começou a perder participação no mercado.

Agora, à medida que as empresas começam a adotar PPAs em massa, o mercado se tornou cada vez mais dinâmico, particularmente no Brasil, Chile e México. Ainda há muito espaço para crescimento em outros mercados, como a Colômbia, e mesmo nos mercados mais consolidados, estamos vendo mais oportunidades à medida que novas tecnologias estão sendo implantadas, desde soluções de armazenamento até módulos bifaciais em usinas fotovoltaicas.

Acreditamos que o mercado ainda está no início de sua curva de crescimento, apresentando múltiplas oportunidades de investimento e vários estudos comprovam isso. De acordo com a Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA), até 2050, a América Latina terá uma capacidade eólica instalada adicional de 131GW e 172GW de nova capacidade solar.

Na Atlas Renewable Energy, nossa equipe experiente está na vanguarda do desenvolvimento e operação de projetos de energia limpa na América Latina. Temos proporcionado aos investidores retornos sólidos e estáveis no Brasil, Uruguai, Chile e outros países, e conhecemos em primeira mão a força do mercado de energia renovável da região. Em toda a região, como já descrevemos aqui, há várias tendências que, em nossa opinião, fazem da energia renovável um investimento atraente. Acreditamos que, com os parceiros certos e projetos cuidadosamente escolhidos, investidores, financiadores e empresas podem colher os benefícios do setor de energia renovável da América Latina por muitos anos – e o momento de fazê-lo é agora.

COMPILAÇÃO DE FONTES

https://www.iea.org/reports/renewable-energy-market-update/challenges-and-opportunities-beyond-2021
https://www.gartner.com/smarterwithgartner/9-future-of-work-trends-post-covid-19/
https://gwec.net/gwec-and-olade-team-up-to-drive-the-energy-transition-in-latin-america/
https://www.irena.org/-/media/Files/IRENA/Agency/Publication/2020/Apr/IRENA_GRO_R06_LAC.pdf?la=en&hash=1493165ED11340CC1F2681321F8D24754F0292C6